O que é autogestão e por que é um diferencial no futuro do trabalho?

Por Robert Half on 7 de abril de 2021

A clássica estrutura de comando e controle, predominante em ambientes de trabalho altamente verticalizados, tem sido substituída por uma forma de trabalho mais autônoma e que exige responsabilidade individual. Por isso, é preciso saber o que é autogestão.

Há muitos benefícios ligados ao assunto, tornando-o um grande diferencial ao trabalho do futuro. O aumento da satisfação dos funcionários, a melhoria da criatividade no ambiente de trabalho e a otimização das relações internas são exemplos — e existem vários outros.

Envie sua vaga

Nos tópicos seguintes, ganhamos profundidade no assunto. Explicamos o que é autogestão e porque essa característica é um diferencial no trabalho do futuro.

Continue a leitura atentamente!

O que significa autogestão?

Para entender o significado de autogestão, vamos entender um pouco mais do nome. O prefixo "auto" vem do grego autós (αὐτός), que significa "eu". Portanto, é uma referência ao trabalho autônomo, que depende do próprio sujeito e não de outros. O radical "gestão" é mais familiar, é uma referência a três grandes etapas: planejamento, execução e controle. Na medida que alguém planeja, executa e controla algo, tendo por objetivo aperfeiçoar os resultados futuros, coloca a gestão em prática.

Então, podemos dizer que autogestão se refere ao aumento da autonomia (o "eu") de cada profissional. De modo que o próprio talento planeje, execute e controle suas tarefas diárias, assumindo mais responsabilidades e entregando mais resultados por conta própria.

Na medida que os funcionários adotam um modelo de autogestão, toda a organização é impactada e pode se tornar autogerida. Nesse cenário, a liderança seria responsável pela direção de longo prazo, sendo que cada profissional gerenciaria suas rotinas operacionais.

Como a autogestão acontece na prática?

A adoção de um modelo de autogestão depende de dois principais agentes: o profissional e a empresa. É necessário que ambos compreendam a importância do assunto e as melhores práticas, bem como se disponham a desafiar o modelo tradicional de comando e controle. Não é uma tarefa fácil, mas é perfeitamente possível.

Pontuamos algumas práticas, a seguir.

Autogestão pessoal

A autogestão é uma ótima competência profissional e tem se mostrado um forte diferencial para o futuro do trabalho. É cada vez mais comum que organizações desejem colaboradores que assumam as rédeas do "jogo" e entreguem resultados por conta própria.

No entanto, isso depende de um conjunto de habilidades específicas. Dificilmente alguém inseguro, pouco comunicativo e impreciso conseguirá adotar a autogestão como modelo de trabalho. Por isso, para a autogestão pessoal, algumas dicas relevantes são:

  • invista em comunicação interpessoal;
  • tenha clareza das suas responsabilidades no trabalho;
  • compreenda a missão da empresa e como contribuir com ela;
  • lembre-se de que você faz parte de um time de trabalho;
  • autogestão não é sinônimo de individualismo;
  • defina objetivos profissionais e metas de curto prazo;
  • monitore seus resultados — e corrija suas falhas;
  • disponha-se ao aprendizado contínuo dentro e fora da empresa.

A autogestão pessoal é, na verdade, um processo de aprendizado. Deve-se descobrir como lidar com os desafios diários sem recorrer aos superiores imediatos ou a alta administração, o que não é fácil. Isso exige bastante autonomia, responsabilidade e senso de prioridade.

Autogestão empresarial

Assim como a autogestão depende de um conjunto de ações de cunho pessoal, também demanda o empenho da empresa (representada pelos seus sócios e gestores). Faz-se preciso construir uma cultura que estimule a autonomia ao longo do expediente.

Isso é um desafio. Por muitos anos, empresas foram criadas sob estruturas verticalizadas, nas quais o comando e o controle eram tarefas da administração — sendo os profissionais de base responsáveis por cumprir o estabelecido. Veja algumas dicas que podem ajudar:

  • deixe claro que a autogestão é algo valorizado;
  • não diga minuciosamente o que deve ser feito e nem microgerencie o trabalho;
  • enxugue a estrutura hierárquica e elimine alguns cargos de chefia;
  • estimule a construção de planos individuais alinhados à missão da empresa;
  • adote práticas de autoavaliação de desempenho;
  • invista no treinamento contínuo dos colaboradores.

A tarefa da empresa é criar um ambiente propício à autogestão, de modo que os talentos se sintam estimulados a trabalhar com autonomia e assumir responsabilidade pelas suas entregas. Esse ambiente depende de boas práticas de RH e liderança de equipes.

Por que a autogestão é um diferencial?

Como você pôde notar, a autogestão é um trabalho conjunto, depende tanto do profissional quanto da organização. Quando bem-feita, pode promover muitas vantagens, como o aumento da inovação e da agilidade, itens vistos como diferenciais na carreira de qualquer profissional. Adiante, apresentamos alguns benefícios que tornam a autogestão um diferencial.

Melhora da criatividade

Na medida que as decisões são centralizadas, elas atendem sempre a um padrão e podem deixar pouco espaço para a criatividade. Todavia, quando cada profissional torna-se responsável por resolver problemas, é mais provável que a criatividade ganhe vida. Em vista disso, um primeiro benefício é a criatividade. Profissionais que autogerenciam seu expediente encontram mais liberdade e podem tratar cada problema de maneira inusitada, o que não seria possível em uma estrutura mais rígida.

Aumento da agilidade diária

Em estruturas centralizadas, cada uma das decisões depende do superior imediato. Isso torna o processo decisório mais moroso, o que afeta a agilidade da companhia, das equipes e dos indivíduos. O trabalho autônomo é mais fluido, dependendo de cada talento.

Quando os profissionais podem decidir por conta própria, sem precisar recorrer aos seus superiores e esperar por orientações, tudo pode ser feito com mais fluidez. O diagnóstico e a solução de um problema pode levar minutos e não dias, como no modelo tradicional.

Melhora nos relacionamentos

Um terceiro grande benefício é a melhora nos relacionamentos interpessoais, tanto com o público interno (colegas de trabalho) quanto externo (clientes, entre outros) da empresa. O motivo é que a autogestão exige mais responsabilidade individual, inclusive nas relações.

Sendo assim, na medida que a autogestão é estimulada, as relações interpessoais são fortalecidas. Os profissionais autônomos aprendem a trabalhar melhor com outras pessoas e extrair resultados do tipo ganha-ganha, que beneficiem todas as partes envolvidas.

Veja, agora você está por dentro do assunto, sabe o que é autogestão e por qual razão é um diferencial no futuro do trabalho, além de como isso ocorre no expediente. Lembre-se de que a autogestão é um esforço conjunto, depende do profissional e da empresa. Na medida que ela acontece, benefícios como criatividade, agilidade e satisfação podem ser obtidos.

Gostou do nosso artigo? Aproveite para aprender muito mais com nossos materiais. Assine nossa newsletter e receba novidades diretamente em seu e-mail. Vamos lá!

 

Recrutamento especializado

More From the Blog...