Um bom time é fundamental para o sucesso de um negócio

Por Robert Half 24 de setembro de 2018

Por Fernando Mantovani

Pessoas são o principal ativo de uma empresa e, por isso, contar com um bom time é fundamental para o sucesso de um negócio. Desta forma, contratar e reter talentos aparecem como as principais preocupações das companhias. Apesar de o Brasil ainda ter um número alto de trabalhadores disponíveis no mercado, recrutar profissionais qualificados, cada vez mais disputados, ainda é um importante desafio para as empresas.

No entanto, fica a questão: será que as empresas estão sabendo reconhecer e valorizar um bom profissional? Apesar de muitas delas terem acesso a excelentes candidatos, às vezes as exigências buscadas não condizem com o salário oferecido ou com a função a ser desempenhada, o que inibe a contratação de grandes talentos. Bons profissionais sabem reconhecer quando não estão sendo valorizados.

Por isso, é importante estar de olho nas tendências do mercado, nas melhores práticas de atração e retenção e, claro, na remuneração.

Encare o processo de seleção como uma ação estratégica de seu negócio. Neste sentido, independente do setor e do tamanho da sua empresa, um recrutamento eficiente passa por 6 etapas. E é possível ser rápido e assertivo sem pular nenhuma delas.

Recrutamento eficiente

Etapa 1

Defina o modelo de contratação mais adequado: diversas situações vão desencadear a necessidade de um novo integrante na sua empresa e, de acordo com elas, você pode optar entre um profissional permanente ou um profissional alocado por projeto, que vai resolver o seu problema de maneira pontual. Qual deles é o mais adequado ao momento que a sua empresa está vivendo?

Etapa 2

Encontrar bons candidatos: a busca dos candidatos é uma etapa crítica num processo seletivo e é importante ter cuidado com a miopia do recrutamento. Ter acesso a bons candidatos não significa que não existam excelentes candidatos no mercado. Talvez o alcance da sua busca esteja limitado. Custa muito caro fazer uma contratação errada, então, planeje-se!

Etapa 3

Fazer boas entrevistas: esta é a sua oportunidade de realmente conhecer a pessoa que está por trás de um currículo. Assim, mantenha uma linha de pensamento lógica nas suas perguntas e explore as experiências e realizações daquele candidato, indo mais a fundo naquelas que tiverem mais a ver com a oportunidade que você está trabalhando. Ao final, dê a oportunidade para o candidato também fazer perguntas. Isso será um excelente termômetro para medir interesse do candidato no processo.

Etapa 4

Checar referências: talvez esta seja a etapa mais ignorada pelas pessoas que estão recrutando – e talvez esse seja o maior pecado que se pode cometer em um processo de recrutamento.

Tirar referências não leva mais que 15 minutos e vai te ajudar a conhecer de verdade um potencial candidato. Uma dica: não se limite em contatar somente os profissionais indicados pelo candidato. Se ele trabalhou em três empresas e só te deu a referência de uma, tente descobrir os contatos das demais. É lá que pode estar a informação que você precisa saber.

Etapa 5

Fazer a oferta: chegar até aqui significa que você está a poucos passos de concluir o seu processo de recrutamento e passará a ter um novo integrante no seu time. Portanto, não se esqueça de que estamos lidando com pessoas que podem ter emoções diferentes. Mas uma coisa é importante: não pode haver nenhum tipo de dúvida do candidato em relação ao novo trabalho e nem sua em relação ao candidato.

Etapa 6

Receber o novo colaborador: as responsabilidades continuam mesmo após a assinatura de contrato do novo colaborador. Certifique-se de ter uma política de integração e treinamento e destine o tempo necessário para apresentar adequadamente o novo membro da equipe a toda organização.

Fernando Mantovani é diretor geral da Robert Half 

Guia Salarial da Robert Half

No Guia Salarial da Robert Half você encontra a mais completa pesquisa salarial e um estudo sobre tendências de contratação no mercado brasileiro.

More From the Blog...