Diversidade e inovação andam de mãos dadas

Por Robert Half on 2 de setembro de 2020

Por Luis Antonio Oliveira Junior

Com as facilidades geradas por um mundo cada vez mais conectado pela web, o usuário está mais exigente, visto que consegue interagir com mais empresas e comparar produtos e serviços com muita facilidade. Ao mesmo tempo em que o usuário ou cliente se beneficia do poder da escolha sem complicações e da agilidade que a web proporciona, também deseja exclusividade e importância. Isso significa que na era digital o seu cliente é o propósito da existência da empresa e é através da sua relação com ele que a fidelização se instala.

Este é o ponto onde se cria o elo entre inovação e diversidade. Sua empresa só vai entender os problemas e desejos da sociedade e entregar o que ela busca, se uma grande parte da população que hoje não está inserida na empresa puder fazer parte dela. Por isso, as companhias precisam prever e entender melhor as necessidades dos seus clientes para criar soluções bem sucedidas. Somente com um time diversificado, que consiga representar as diferentes parcelas da população, será possível atender às demandas de grande parte da sociedade.

Equação perfeita

Acredito na premissa de que inovação não se cria apenas com tecnologias de última geração, mas sim entendendo o que seu público demanda. O foco das discussões sobre diversidade sempre esteve direcionado à pluralidade de gênero, raça, cor e orientação sexual. No entanto, este conceito é muito mais amplo. Atualmente já se fala sobre a diversidade de pensamento, a chamada diversidade cognitiva. Temos confirmação mais do que o suficiente de que a variedade de cultura, experiências e expectativas enriquece os ambientes onde as pessoas transitam. É nesta combinação de contextos que surgem as melhores soluções, pois cada indivíduo tem uma forma única de ver um determinado assunto. Este choque de ideias leva ao desenvolvimento também dos profissionais que, ao aceitarem o debate de pontos de vista diferentes, repensam suas posições e se permitem novos pensamentos e ideias. Esta é a equação perfeita para um melhor entendimento do que seu cliente deseja.

Podemos corroborar essa afirmativa a partir da região mais inovadora do mundo: o Vale do Silício. Muitos governos tentam replicar o seu modelo, mas há uma característica que é irreplicável: a diversidade de pessoas. Quem conhece a região sabe que essa é uma das áreas mais cosmopolitas do mundo (estatísticas apontam que 71% das pessoas que trabalham lá não são norte-americanos). Essa diversidade de culturas e ideias traz uma maneira criativa de identificar, pensar e solucionar os problemas.

Nossa realidade

No Brasil ainda temos uma longa trajetória com relação à diversidade no mundo corporativo. O Instituto Ethos, em parceria com o BID, divulgou em 2015 uma ampla pesquisa chamada “Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 maiores empresas do Brasil e suas afirmativas”. Em relação à presença feminina nestas empresas há um sério afunilamento hierárquico: no nível de supervisão, elas são 38,8% do quadro. Cai para 31,3% no nível de gerência, 13,6% no nível executivo e 11% nos conselhos de Administração. Quando o assunto é cor ou raça, o desequilíbrio ainda é mais assustador: a população “de cor” (negros, amarelos e indígenas) representa 27,8% do nível supervisão. Cai para 9,9% no nível de gerência, 5,8% no nível executivo e 4,9% nos conselhos de Administração.

Podemos concluir que ter a diversidade como pauta estratégica permanente nas empresas vai além do benefício do ganho de imagem. Ela traz vantagem competitiva, inovação, motivação, bem-estar e, com isso, consequentemente ganhos financeiros para as empresas.

* Luis Antonio Oliveira Junior é Head de Finanças na Robert Half

Hide Breadcrumb
Off
Hide Title
Off

More From the Blog...