Robert Half lança podcast Robert Half Talks

Por Robert Half on 2 de outubro de 2021

A Robert Half acaba de lançar o podcast Robert Half Talks, disponível em todas as plataformas. O Robert Half Talks tem o objetivo de levar aos seus ouvintes discussões relevantes sobre o futuro do trabalho, com dicas de como se adaptar a um mundo em constante transformação.

Com episódios quinzenais, o Robert Half Talks trará sempre um bate-papo inteligente e descontraído entre dois headhunters ou entre um headhunter e um grande nome do mercado, especialista no assunto da quinzena.

“Nestes quase 15 anos de operação no Brasil, a Robert Half tem o diferencial de fornecer conteúdo de qualidade aos clientes e candidatos, discutindo tendências e fornecendo dados. O Robert Half Talks é mais uma forma de levar o nosso papel consultivo a mais pessoas, com o objetivo de atender às necessidades dos nossos clientes e preparar ainda mais a força de trabalho do Brasil por meio de discussões relevantes e atuais”, afirma Fernando Mantovani, diretor geral da Robert Half para a América do Sul.

Todas as informações sobre o podcast da Robert Half  você encontra em: Robert Half Talks

Episódio 1 - ESG: como ele impacta na hora de contratar?

No primeiro episódio, Fernando Mantovani conversa com Carlo Pereira, diretor-executivo da Rede Brasil do Pacto Global, sobre as práticas ESG (Environmental, Social and Governance) e seus impactos na atração e retenção de talentos nas empresas.

O tema vem ganhando espaço a ponto de o conceito ESG já ter se consolidado como muito relevante em todo o mundo, incluindo o Brasil. Estudo da própria Robert Half indica que 83% dos candidatos a trocar de emprego consideram importante a futura empresa ter uma agenda ESG. Metade deles diz que pode ser fiel à atual empresa que tenha essas práticas no seu cotidiano.

O impacto maior é entre os mais jovens. A adoção do ESG por uma empresa vai ao encontro da visão desse grupo, que deseja deixar um legado, um impacto positivo para um mundo melhor, ou “levantar uma catedral”, como descreveu Aaron Hurst, autor do livro “The Purpose Economy”, que cunhou a ideia da “Economia do Propósito”.

Segundo Pereira, a promessa de uma ótima remuneração continuará sendo importante, mas isso só já não basta, porque a cabeça dos profissionais começa a mudar até na hora de decidir se envolverem em processos seletivos em busca de posições em empresas que não tragam consigo o que se chama “propósito”. Uns poucos já começam a questionar a própria participação no processo de seleção por conta disso.

O diretor do Pacto Global, braço da ONU de iniciativas voluntárias privadas para a promoção do crescimento sustentável e da cidadania, conta que ele próprio já recusou propostas de empresas que não tinham as práticas ESG. Mas admite que a crise econômica do país é capaz de atrasar esse ímpeto por embutir o receio do desemprego.

De fato, apesar de a consciência sobre a importância do tema ser crescente, o medo do desemprego acaba afastando a possibilidade de descartar um trabalho que não tenha aderência às práticas ESG.

Quer conferir a conversa toda? Clique e acesse:

 

 

More From the Blog...