O veneno da contraproposta

Por Robert Half 16 de maio de 2019

Por Fernando Mantovani

Você está empregado, mas, diante de algumas insatisfações, resolve partir em busca de uma nova oportunidade. Então, consegue fisgar a atenção do empregador, se sai bem na entrevista, conquista a vaga e aceita. Porém, ao comunicar seu atual empregador é surpreendido com uma oferta de aumento salarial em troca da permanência na companhia.

Essa é a famosa contraproposta. E, para o bem de sua carreira, aconselho que você tome decisões na carreira com base em PLA-NE-JA-MEN-TO para não ter que se render a ela. Um levantamento da Robert Half revelou que executivos que aceitaram uma contraproposta acabaram se desligando da companhia seis meses depois, demitidos ou por vontade própria. Ou seja, tenha como horizonte o longo prazo.

7 armadilhas da contraproposta

  1. É uma ferramenta emergencial – Alguns empregadores ficam em dúvida quanto ao real comprometimento do empregador com a organização e usam a contraproposta como uma forma para ganhar tempo e segurar o profissional apenas enquanto buscam outra pessoa para a função.

  1. É possível que você volte a ter insatisfações – Em geral, ao pedir demissão, o profissional possui insatisfações com a companhia que vão além da financeira, como relacionamento com a equipe, clima organizacional, modelo de trabalho, localização da empresa, entre outras. Pode ser que, momentaneamente, o aumento satisfaça, mas, com o passar do tempo, a remuneração maior não amenize as demais insatisfações.

  1. Você se tornará caro para o mercado – A tendência é que o salário de uma pessoa que aceitou uma contraproposta fique acima da média do mercado. Ou seja, você terá dificuldades para se movimentar no mercado no futuro.

  1. Novos aumentos demorarão a chegar – Ao aceitar uma contraproposta tenha em mente que ficará um bom tempo sem aumento, já que recebeu uma elevação salarial que não estava no planejamento da companhia.

  1. Na necessidade de cortes, seu nome poderá estar na lista – Após aceitar uma contraproposta, pode acontecer de o seu empregador ficar em dúvida sobre a lealdade com relação à companhia e, dentro desse contexto, considerar você na lista de profissionais a serem demitidos, caso haja necessidade.

  2. Dificilmente a empresa voltará a te valorizar – Se o benefício financeiro veio apenas porque você manifestou desejo de ir para o mercado, é possível que não seja da cultura da empresa investir em ações de retenção de talentos. É muito gratificante trabalhar em uma empresa que valoriza o colaborador enquanto ele está na função e não apenas quando ele pede demissão.

  3. Sua reputação tende a ficar manchada – Não importa o que o atual empregador diga para você no momento da contraproposta, a sua imagem sempre será associada à de alguém que pode pedir demissão a qualquer momento. Com relação ao recrutador que recebeu a recusa, ele tende a avaliar você como um profissional motivado apenas por remuneração, sem valorizar plano de carreira, oportunidades de crescimento. 

Neguei uma proposta de trabalho e me arrependi. Posso entrar em contato com a empresa?

O arrependimento pode acontecer e, diante do seu não inicial, pode ser mais difícil reconquistar a vaga. Pense que a empresa que te fez a oferta ficou desfalcada e é bem provável que já tenha ido atrás de outro profissional. Carolina Cabral, gerente de recrutamento da Robert Half, fala sobre o tema. 

 

Um conselho para você

Diante de insatisfações no ambiente de trabalho, procure pares, subordinados ou superiores para uma conversa. Entenda as possibilidades de melhorias de aspectos que incomodam você antes de aceitar outra proposta. Não transforme sua carreira em um ambiente de leilão.

Aceitar uma contraproposta não é criar uma oportunidade, mas, sim, perder outra. Pense nisso!

Fernando Mantovani é diretor geral da Robert Half

Quer receber mais conteúdos como este?

Se você gostou deste post, assine nossa Newsletter para receber mensalmente artigos relacionados à dicas de carreira, recrutamento e mercado de trabalho.

More From the Blog...