5 dicas para usufruir ao máximo um período sabático

Por Robert Half 17 de dezembro de 2018

Por Fernando Mantovani

Estava conversando com um jovem profissional. Quando chegamos no tema carreira, ele atribuiu uma lacuna no currículo a um período sabático. Achei interessante e resolvi ir mais fundo no assunto. Porém, para minha surpresa, ele não tinha nada a dizer sobre cursos que participou, conhecimentos que adquiriu ou outras ações que poderiam agregar valor à vida profissional dele.

Não há problemas em fazer uma pausa na carreira para priorizar questões pessoais, sejam elas relacionadas ao lazer ou à saúde e bem-estar do profissional ou de seus familiares. Mas, aqui vai um alerta. Nestes casos, a necessidade deve ser identificada como um período de afastamento do mercado de trabalho. No mundo corporativo, espera-se que o termo sabático seja utilizado com mais critério.

Explicando melhor, o período sabático faz mais sentido quando ele proporciona ao profissional sobrecarga. E, aqui, estou falando sobre o acúmulo de ideias, conhecimentos, inspirações e energia. Só assim você será um profissional mais produtivo e competitivo no retorno às atividades regulares. Assim, os olhos dos empregadores irão brilhar por você.

Veja aqui 5 orientações para usufruir melhor do período:

1. Identifique sua motivação

Se você deseja se aperfeiçoar em algum idioma, complementar o conhecimento com cursos de extensão ou especialização ou vivenciando a realidade de outros estados ou países, o período sabático pode ser um caminho. O leque de motivos é bastante amplo e varia de pessoa para pessoa.

Entenda que o conhecimento não precisa se restringir a uma sala de aula. Ele pode ser adquirido no contato com a cultura local e profissionais da região e na visita a museus, empresas ou pontos turísticos, por exemplo. Mas, cada escolha precisa ter um objetivo.

2. Tente negociar o afastamento com a empresa onde atua

Caso esteja trabalhando e goste da companhia, tente negociar com seu chefe esse período de afastamento. Explique a ele de que maneira a experiência pode agregar para os negócios da empresa e comprometa-se a retornar com as ideias oxigenadas.

3. Faça um planejamento financeiro

Em geral, um período sabático dura entre três meses e um ano. Por isso, é preciso que você faça um planejamento financeiro para que os meses sejam de tranquilidade e não de agonia. É muito mais difícil reciclar e agregar ideias quando há dificuldade para honrar as contas que batem à porta.

[Leia também: Sabático na crise, é possível?]

4. Sabático também é para os seniores

Com o aumento da expectativa de vida, alguns executivos seniores têm encontrado no período sabático o momento ideal para a retomada de fôlego rumo a um novo estágio da carreira.

5. Prepare seu discurso diante do mercado

Seja na conversa com profissionais do mercado ou com futuros empregadores, tenha em mente, de maneira clara e objetiva, o que te motivou a procurar pelo sabático e de que forma ele contribuiu para sua evolução como pessoa e profissional. Isso evita que as pessoas suponham que você ficou sem emprego, apenas descansando.

A informação também deve constar no currículo. Se a experiência foi recente, mencione-a no início. Caso contrário, reserve uma seção para ela no pé do documento. Mas, é claro, que isso não é regra. Você deve customizar o currículo de acordo com a vaga para a qual se candidatar.

[Leia também: Como mencionar um período sabático no currículo]

*Fernando Mantovani é diretor geral da Robert Half

Faça download do Índice de Confiança Robert Half

O ICRH vai monitorar o sentimento de recrutadores, profissionais empregados e desempregados com relação ao mercado de trabalho e economia atualmente e para os próximos seis meses.

More From the Blog...