Só dinheiro não basta!

 

Só dinheiro não basta!

Num processo seletivo, só o salário oferecido não basta para atrair bons profissionais! Hoje eles têm outros anseios. Para 40% dos entrevistados pelo 8º Índice de Confiança Robert Half (ICRH), a possibilidade de crescimento é o principal ponto levado em consideração, seguido por pacote de benefícios (20%) e valores e propósitos da empresa (17%). Outros aspectos considerados são: a distância entre casa e trabalho (5%), autonomia (5%), flexibilidade de horário (4%) e reputação da empresa (4%). Apenas 2% levam em consideração a possibilidade de trabalhar remotamente e 1% questiona a carga horária.

E mesmo com o cenário econômico desafiador, 40% dos profissionais com nível superior atualmente empregados aceitariam trocar de empresa se tivessem possibilidade de desenvolvimento de carreira. Outros motivos revelados por esses entrevistados são a possibilidade de equilíbrio entre vida pessoal e profissional (13%), potencial de crescimento da empresa (12%) e oportunidade de assumir posições de liderança (11%). Benefícios, horário flexível, localização e treinamentos também são fatores que atraem os profissionais para uma nova colocação.

" A valorização de benefícios não-financeiros evidencia o quanto o perfil do profissional vem mudando ao longo do tempo. Hoje eles buscam uma relação de ganha-ganha com o empregador. É claro que dinheiro ainda é importante e fundamental para a vida das pessoas, mas os empregadores agora têm um grande desafio de estruturar um bom plano para atrair e, mais importante, reter os melhores talentos. A pesquisa deixa claro que há uma preocupação grande dos profissionais em relação ao crescimento e desenvolvimento de sua carreira", declara Fernando Mantovani, diretor geral da Robert Half.