Profissionais temporários: 90% dos CIOs brasileiros acreditam nesta força de trabalho

Pesquisa da Robert Half aponta, ainda, dez motivos para recorrer a este modelo de contratação

Pesquisa da Robert Half aponta, ainda, dez motivos para recorrer a este modelo de contratação 

As empresas têm aderido à Gig Economy - formas de trabalho flexíveis - na medida em que o mundo corporativo evolui. Esta pode ser uma das leituras da pesquisa da Robert Half, que mapeou a opinião de 1128 CIOs de 12 países quanto à composição mais adequada do quadro de colaboradores.

No Brasil, 25% dos 115 CIOs entrevistados acreditam que, até 2023, a força de trabalho, em cargos que vão de analista a diretor, será integrada por 10% de profissionais temporários e 90% permanentes. Enquanto para 19% a proporção ideal é de 30% contratados por projetos e 70% integrando o quadro fixo. Apenas 10% dos entrevistados brasileiros demonstraram não ter intenção de mesclar a equipe e esta é a mesma porcentagem da média global.

“As empresas precisam se preparar para uma maior flexibilidade com relação à sua força de trabalho. Nos mercados americano e europeu esse entendimento já é uma realidade e, felizmente, aqui no Brasil as companhias vêm amadurecendo muito nos últimos anos”, ressalta Caio Arnaes. “Vários fatores têm impulsionado este novo momento, como o constante avanço da tecnologia, o novo perfil dos profissionais e a guerra das organizações pelos profissionais de talento”.

Qual será a divisão perfeita da força de trabalho dentro de uma organização, até 2023? (Fonte: Pesquisa Robert Half)

Divisão da força de trabalho

% de CIOs que concordam

MÉDIA GLOBAL

% de CIOs que concordam

BRASIL

100% permanentes

10%

10%

90% permanentes + 10% temporários

18%

25%

80% permanentes + 20% temporários

17%

17%

70% permanentes + 30% temporários

19%

19%

60% permanentes + 40% temporários

11%

6%

50% permanentes + 50% temporários

11%

10%

40% permanentes + 60% temporários

5%

6%

30% permanentes + 70% temporários

4%

3%

20% permanentes + 80% temporários

2%

2%

10% permanentes + 90% temporários

2%

0%

100% temporários

1%

2%

Dez motivos para ter um temporário na equipe - A pesquisa da Robert Half identificou, ainda, dez benefícios que os CIOs brasileiros relataram ao optar pela inclusão de profissionais temporários no quadro de colaboradores. Entre as razões de destaque está o suporte à equipe permanente durante a ausência emergencial ou programada de um profissional importante para o desenvolvimento do negócio, seguida pela oxigenação de ideias e iniciativas em prol da inovação.

“Ter estratégia ao definir a composição do quadro de colaboradores e ao recrutar esses profissionais é fundamental para ter uma equipe de qualidade e, assim, ter mais chances de expandir os negócios e ganhar em competitividade diante da concorrência”, reforça Arnaes.

Dez benefícios de contratar temporários (fonte: Pesquisa Robert Half)

  1. Suporte durante ausência emergencial ou programada de profissional-chave (opinião de 40% dos entrevistados)

  2. Acesso a novas ideias e iniciativas em prol da inovação (40%)

  3. Transferência de conhecimento para funcionários da equipe permanente (36%)

  4. Acessar qualificações técnicas específicas sem ter que recorrer a uma consultoria do projeto em questão (34%)

  5. Apoio ao crescimento organizacional (34%)

  6. Flexibilidade com relação aos custos de pessoal e de recursos (32%)

  7. Gerenciamento de picos de carga de trabalho (32%)

  8. Acesso a qualificações técnicas específicas (30%)

  9. Suporte para o departamento caso a contratação de um profissional permanente dê sinais de que vai demorar muito (30%)

  10. Mitigação de risco comercial (23%)

Mapa da contratação de temporários (fonte: Robert Half)

  • Quando contratar - Para que a equipe permanente não fique sobrecarregada diante do aumento da demanda ou de acontecimentos importantes e pontuais; para suprir a ausência programada ou inesperada de um profissional-chave; ou para a execução de projeto que tem data para início e término, quando este exige um conhecimento específico e nenhum profissional do grupo possui as qualificações necessárias.

  • Com quais projetos ele pode contribuir - Implementação de sistemas, adequação de processos fiscais, consolidação de relatórios financeiros, gestão de risco, governança e compliance ou auditoria interna, entre outras ações.

  • Quais habilidades observar no candidato - Foco em resultados e na resolução de problemas; perfil consultivo, questionador e mão na massa; senso de dono; flexibilidade; disponibilidade; habilidade de comunicação para lidar com profissionais de diferentes perfis e níveis hierárquicos; alto conhecimento técnico da atividade que vai desenvolver; e vasta experiência no mercado de atuação.