Networking virtual já supera presencial, aponta pesquisa da Robert Half

22 de novembro 2013

São Paulo, 25 de setembro de 2013 – A porcentagem de brasileiros adeptos ao networking virtual já ultrapassou a daqueles que costumam fazer o presencial (83% versus 72%), de acordo com pesquisa realizada pela Robert Half com 651 executivos brasileiros. Apesar de os números mostrarem essa nova realidade, 80% afirmaram não recomendar para oportunidades de emprego profissionais que conhecem apenas virtualmente.

Quando questionados se deixaram de realizar o networking presencial depois de aderirem ao virtual, 19% responderam que sim e 81% disseram que passaram a realizar as duas formas de contato. Para Fábio Saad, gerente sênior da Divisão de Finanças da Robert Half, a conciliação das duas práticas é a mais indicada. “Muitas pessoas, por timidez, optam por fazer o primeiro contato pelas redes sociais para depois iniciar uma aproximação maior. E quando já se tem um contato pessoal, fica mais fácil estabelecer o virtual depois”, afirma o executivo.

Em relação ao meio mais eficiente de networking, 57% dos entrevistados afirmaram que o contato presencial era o melhor para ampliar e fortalecer suas redes de contato, ante 21% que optaram pelo virtual e outros 21% que disseram optar pelas redes sociais. “As três opções se complementam e os profissionais precisam apenas saber como utilizá-las corretamente para tirar o melhor de cada uma”, ressalta Saad.

A pesquisa mostra que metade dos executivos tenta realizar encontros presenciais com os amigos e conhecer novas pessoas de um a três dias por mês, enquanto 20% afirmaram que a frequência varia de três a cinco vezes e cerca de 15% fazem essas reuniões mais de dez dias por mês.

Além de ampliar a rede de contatos, parcerias e negócios, o networking é uma ótima ferramenta para profissionais em busca de oportunidade de trabalho ou recolocação no mercado. “O indicado é listar pessoas interessantes para conhecer e fazer o contato. Algumas vão ignorar e outras não. Em uma dessas tentativas pode ser que o profissional encontre um recrutador que esteja em busca de um perfil como o dele”, conclui Saad.

O levantamento da Robert Half foi realizado com 651 executivos, entre junho e agosto deste ano, sendo 82% deste total composto por gerentes e diretores, 15,3% por analistas e coordenadores e 3,7% por C-Levels.  Já em relação à faixa etária, 40% dos entrevistados tinham entre 41 e 50 anos, 37% de 31 a 40, 20% com 51 anos ou mais, 2,8% entre 25 e 30 e 0,2% até 24 anos.

 

Compartilhar essa página