Executivos têm expectativas divergentes para 2014

12 de fevereiro 2014

Pesquisa da Robert Half aponta otimismo em relação às empresas e desconfiança com o crescimento econômico do País

São Paulo, janeiro de 2014 – O entusiasmo dos empresários brasileiros com o desempenho de suas empresas não se repete quando o tema é o crescimento da economia nacional, de acordo com uma pesquisa da Robert Half sobre expectativas para 2014, realizada com 233 líderes de negócios. Mais de 67% dos entrevistados afirmaram estar otimistas ou muito otimistas em relação ao desempenho de suas empresas, enquanto 63% disseram estar pessimistas em relação ao crescimento do PIB brasileiro neste ano.

Apesar de os resultados mostrarem uma divergência entre as expectativas micro e macroeconômicas, a notícia pode ser considerada positiva do ponto de vista do mercado de trabalho, afirma Fernando Mantovani, diretor de operações da Robert Half no Brasil. “Mesmo com uma expectativa de crescimento pouco agressivo, a economia brasileira ainda oferece muitas oportunidades e a grande maioria das empresas manterá seus planos de crescimento e investimento este ano”, ressalta o executivo.

Para 54% dos entrevistados, o desempenho de suas empresas em 2014 será melhor do que o registrado no último ano, enquanto 22% apostam que será igual. A solução da crise econômica internacional, crescimento da economia nacional e a realização da Copa do Mundo e Olimpíadas foram os principais fatores apontados para esse otimismo.  

Por outro lado, o baixo crescimento da economia e a crise internacional foram apontados pelos executivos como as principais causas de desconfiança. Quando questionados sobre quais são as dificuldades na condução de suas empresas, quase 40% deles apontaram a carga tributária elevada, 15,6% responderam ser a incerteza jurídica e regulatória e 15% disseram ser a escassez de mão de obra qualificada.  “Muitos executivos foram excessivamente otimistas sobre o cenário de 2013 e estão mais conservadores nas projeções atuais. Essa cautela funciona até mesmo para que eles evitem se comprometer com resultados agressivos e depois sejam cobrados por isso”, explica Mantovani.

Para o diretor da Robert Half, áreas como infraestrutura e agronegócio, devem continuar aquecidas este ano. “Mais de 29% das companhias esperam aumentar as contratações em 2014 e 30% esperam manter o ritmo de 2013”, conclui o executivo.

Sobre a Robert Half

A Robert Half é a primeira e maior empresa de recrutamento especializado no mundo. Fundada em 1948, a empresa opera sete divisões no Brasil, selecionando executivos de finanças, contabilidade, mercado financeiro, engenharia, tecnologia, jurídico, RH, marketing e vendas. A Robert Half tem mais de 340 escritórios presentes nos EUA e Canadá, Europa, Ásia, América Latina e Oceania.

 

 

 

Compartilhar essa página