Energia dita tendências de demanda por engenheiros no RJ

20 de novembro 2011

 

Rio de Janeiro, novembro de 2011 – O aquecimento da economia do Estado do Rio de Janeiro tem provocado diferentes efeitos na demanda por profissionais de engenharia, principalmente naquelas relacionadas ao segmento de Energia. Apenas para vagas voltadas ao mercado de Petróleo e Gás, houve crescimento de 10% nos três trimestres de 2011 em comparação ao mesmo período de 2011. “É um crescimento expressivo, pois 2010 já foi um ano de extremo aquecimento no segmento”, revela Fabiano Kawano, gerente da divisão de Engenharia da Robert Half.

No segmento de Petróleo e Gás, onde há escassez de mão de obra qualificada frente à oferta de oportunidades, é possível observar com maior facilidade a absorção de profissionais de áreas correlatas da engenharia, como o gerente de contrato e o gerente de qualidade, que migram da área de construção pesada. A entrada do mercado de Petróleo e Gás na disputa pelos profissionais inflacionou os cargos como os gerentes de contrato e qualidade em 20% em comparação aos demais profissionais.

As crescentes demandas no segmento de energia têm sido responsáveis também pelo surgimento de novas carreiras e oportunidades. O especialista em comercialização de energia está em evidência por conta do aumento de investimentos no setor e na diversidade de fontes de energia disponíveis. Como um ‘trader’ de energia, o profissional avalia a geração e disponibilidade das diferentes fontes para estipular o preço futuro.

Na medida em que cresce a geração própria de energia nas grandes empresas, abrem-se espaço também para o cargo de especialista em cogeração de energia. Em comparação com dois anos atrás, quando a demanda era mínima, houve crescimento de 300% pelo especialista, segundo levantamento da Robert Half. O profissional é responsável por mapear as possibilidades de geração de energia a partir de uma fonte já existente e que não era aproveitada possibilitando redução de custo. Uma indústria moveleira, por exemplo, que gera vapor por meio da queima de resíduos de biomassa pode passar o vapor por uma turbina e gerar energia elétrica para consumo interno. O especialista em cogeração de energia pode ser um engenheiro elétrico ou mecânico com alto conhecimento técnico, principalmente sobre caldeiras, turbinas, tubulações e compressores.

A tendência de grandes empresas investirem na geração própria de energia limpa e renovável também faz despontar no mercado de trabalho a figura de especialistas nesse segmento. De acordo com a Robert Half, apesar de o volume de vagas ainda não ser expressivo, a demanda por engenheiros especializados em pesquisa e desenvolvimento de energias limpas, como a eólica e a solar, tende a crescer nos próximos anos no Brasil, país com alta incidência de sol e ventos durante todo o ano, e a preocupação das empresas com a sustentabilidade.

Sobre a Robert Half
A Robert Half é a primeira e maior empresa de recrutamento especializado no mundo. Fundada em 1948, a empresa opera sete divisões no Brasil, selecionando executivos de finanças, contabilidade, mercado financeiro, engenharia, tecnologia, jurídico, marketing e vendas. A Robert Half tem mais de 340 escritórios presentes nos EUA e Canadá, Europa, Ásia, América Latina e Oceania.

 

 

Compartilhar essa página