Vamos falar de salário?

Vamos falar de salário?

Por Adriana Fonseca

O ano de 2017 ainda deve apresentar insegurança em relação à economia, o que impacta, claro, o mercado de trabalho e também os salários. Diante disso, as remunerações devem ficar em níveis muito semelhantes a 2016. “As empresas ainda têm uma preocupação muito grande em controlar os seus gastos”, afirma Fernando Mantovani, diretor geral da Robert Half no Brasil.

A questão salarial e da busca por um novo trabalho foi abordada por Mantovani no Hangout que fizemos em outubro. Veja os principais pontos abordados.

Aceitei um emprego para ganhar menos. Posso continuar procurando outro?

A remuneração menor em recolocações é uma situação comum no mercado atualmente, por conta da instabilidade econômica do país. De forma geral, o que se espera, é que uma relação de trabalho dure entre dois ou três anos, pelo menos. Mas, claro, se o salário atual não permite manter o padrão de vida da família, é natural que o profissional continue a busca por uma oportunidade melhor. Avalie, no entanto, se a atual empresa oferece perspectiva de crescimento e aumento de salário em cerca de dois anos. Se sim, talvez valha a pena esperar.

Pretensão salarial. O que colocar?

Se o setor que você tem experiência está em dificuldades, uma abordagem interessante frente ao recrutador pode ser expor sua real intenção salarial, mas ponderar que você entende que a área passa por dificuldades e que está aberto a negociações. É uma recomendação válida, por exemplo, para o setor de construção civil, onde os salários estão entre 20% e 30% menores.

Outra questão a ser colocada é que você valoriza outros aspectos na vaga, além do salário, como perspectiva de crescimento de carreira, aprendizado, etc. E, já que a empresa oferece essas possibilidades, você estaria disposto a ouvir uma proposta da empresa, ainda que inferior ao seu ideal.

Nos dois casos, tenha em mente o valor que você está disposto a aceitar e que vai permitir arcar com a estrutura de vida que você construiu.

Também é válido avaliar ampliar o seu leque de atuação e admitir procurar trabalho em outras áreas, o que poderia render uma remuneração mais de acordo com a sua expectativa.

Para mais detalhes sobre as perspectivas de salários para 2017, baixe gratuitamente a pesquisa salarial da Robert Half

Como falar de salário com o chefe

Quando você leva a conversa para uma bifurcação, onde só há duas soluções, sempre se cria constrangimento. Então, uma boa alternativa é transmitir a ideia desejada, mas deixando abertura para uma conversa. De qualquer forma, antes de tomar a iniciativa de falar com o seu chefe sobre aumento salarial, é preciso construir o caminho para isso. Peça, com antecedência, uma reunião de feedback, pois isso dará parâmetro para saber se você está indo no caminho certo ou se precisa preencher algumas lacunas. Dois meses depois disso pode ser o momento ideal para iniciar uma conversa sobre promoção ou para mostrar disponibilidade para abraçar mais responsabilidades. Um terceiro passo é abordar a questão do aumento, já munido de informações e sempre deixando margem para conversa, não em forma de ultimato.

No hangout “Vamos falar de salários” surgiram mais perguntas interessantes. Para assistir na íntegra, clique aqui

 

Adriana Fonseca é jornalista, tem 14 anos de experiência na cobertura de carreiras e empreendedorismo e já publicou no jornal Valor Econômico, na Folha de S.Paulo e na revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Compartilhar essa página