Trate bem do CEO ao porteiro

*Por Jorge Martins

É mais do que sabido que uma boa rede de relacionamento é fundamental para diversos aspectos da vida. Quem nunca se sentiu um privilegiado por ter o telefone daquele “faz tudo” de confiança quando teve um problema em casa?! No mundo corporativo não é diferente. Ter bons contatos conta, e muito, para uma carreira de sucesso. Mas como criar essa rede? É importante que ela comece cedo, ainda na faculdade, com um bom grupo de trabalho e proximidade com os professores. Um MBA também é um ótimo lugar para expandir seus contatos, mas não acho que interessante que ele seja feito logo após a graduação. Seu grande diferencial é a troca de experiências com profissionais que já estão no mercado.

Se você acabou de se formar e sequer está trabalhando terá muito pouco a contribuir e seus colegas podem te esquecer após a conclusão do curso. As redes sociais têm sido muito usadas para expandir o networking. Mas podem depor contra você se não souber usá-las corretamente. O conteúdo compartilhado em seus perfis o fará mais ou menos relevante para o público que quer atrair. Se em seu Facebook, você prefere ser mais descontraído e fazer brincadeiras, evite ter pessoas das suas relações profissionais. Muitos não conseguem distinguir o comportamento entre amigos do dia a dia corporativo, então, para que misturar?! Já o Linkedin tem características bem profissionais. Ali as pessoas estão interessadas em saber o que você tem a dizer sobre o mercado em que atua. Nem pense em colocar foto de gatinho piadista ou outras irreverências da internet. Na construção da sua rede de relacionamento não faça distinção entre as pessoas. Trate a todas da mesma forma que gostaria de ser tratado.

Certa vez, estava conduzindo um processo de recrutamento para uma empresa e depois de algumas etapas chegamos ao candidato final. Antes do sim definitivo precisávamos pegar referências profissionais. E o candidato tinha nos indicado nada menos que o presidente de uma das empresas em que tinha trabalhado para recomendá-lo. Liguei para o presidente e só recebi boas informações sobre o ex-funcionário. Passei as referências para o futuro empregador, porém ele não se sentiu satisfeito e pediu que falasse com um gerente dessa mesma empresa, o qual ele conhecia e tinha confiança em seu julgamento. Sem problemas! O candidato à vaga também recebeu elogios desse gerente e foi, finalmente, contratado!

O importante aqui é destacar que se esse candidato só se relacionasse bem com o presidente da empresa, poderia ter perdido a vaga, já que para seu futuro empregador valia mais a opinião do tal gerente. Selecionar com quem você será cortês é o caminho certo para o fracasso. Mais hora menos hora, você se encontrará em uma situação delicada por fazer distinção entre as pessoas e uma boa oportunidade de emprego poderá ser desperdiçada. Além de ter relevância para sua rede de relacionamento, é fundamental que você trate bem do CEO ao porteiro do seu prédio!

*Jorge Martins é gerente da divisão de Sales & Marketing

Tags: Carreira

Compartilhar essa página