Mercado de trabalho: o futuro já chegou!

Por Robert Half 15 de outubro de 2018

*Por Fernando Mantovani

Não há como negar que o ambiente corporativo segue em constante transformação, muito como reflexo dos avanços tecnológicos. Em diferentes áreas das organizações, a tecnologia tem se instalado nos processos e nas rotinas para garantir maior produtividade, assertividade nos resultados e a liberação de tempo para que os profissionais foquem em ações estratégicas, no lugar das operacionais.

Novas tecnologias impulsionam grandes transformações

Recentemente, o World Economic Forum lançou o estudo “The Future of Jobs Report 2018”, que, entre outras questões, apresenta uma reflexão importante envolvendo tecnologia, empregos e habilidades. De acordo com conclusões do relatório, “Novas tecnologias podem orientar o crescimento dos negócios, a criação de empregos e a demanda por habilidades específicas, mas também pode impulsionar grandes transformações quando certas atividades tornam-se obsoletas ou são automatizadas.

O gap de qualificação – tanto entre os trabalhadores quanto entre os líderes – pode acelerar as tendências para automação em alguns casos, mas também pode criar barreiras à adoção de novas tecnologias e, portanto, o crescimento do negócio”.

As 5 tecnologias mais integradas ao ambiente corporativo

Ao fazer um recorte sobre o cenário no Brasil, o estudo do World Economic Forum revela que as cinco tecnologias mais incorporadas ao ambiente corporativo têm sido análise de Big Data (opinião de 92% dos respondentes); APP e Web (82%); Machine Learning (79%); Internet das coisas (79%); e realidade aumentada e virtual (70%). Porém, aos interessados em se manter ou ingressar no mercado, é preciso entender que não só de conhecimento técnico se formam as organizações.

As competências humanas permanecem essenciais

Como venho observando há algum tempo – e foi confirmado pelo estudo –, as habilidades comportamentais da equipe estão sendo muito valorizadas pelos empregadores, com destaque para resiliência, tolerância ao estresse, flexibilidade, aprendizagem ativa, liderança e influência, além de pensamento analítico, criativo, inovador e crítico e capacidade para resolução de problemas complexos. A velocidade com a que a tecnologia transforma o ambiente de trabalho exige a necessidade de reunir competências que permitam a maior adaptação às mudanças.

A verdade é que, independentemente do nível de influência que a tecnologia alcance nos negócios de uma organização, as pessoas e suas competências continuam a ser essenciais para fazer a roda girar.

Ainda que exista mecanização e robotização das ações, o elemento humano continua a ser extremamente relevante para tomar decisões estratégicas, desempenhar atividades de relacionamento, criar e motivar equipes.

Recomendações para adaptar-se à Ruptura Digital

Aos profissionais, minha recomendação é: entendam que a tecnologia faz parte de uma nova Era que veio para ficar e não há chances de retrocesso. Sempre foi assim, mas agora o ritmo é mais intenso. Inicie o processo de adaptação buscando formas de oferecer um serviço mais consultivo e estratégico ao empregador, mostrando que está apto a sair do operacional. Esforce-se para entender os benefícios do novo momento e se adequar antes de resistir ou temer perder o emprego.

Se você ocupa um cargo de gestão, atente-se à missão de manter o time engajado nesse momento de transformação. A tarefa não é fácil, mas pode ser mais possível se você se dispuser a ouvir atentamente as preocupações dos funcionários, souber explicar ao grupo os impactos e benefícios da mudança, incentivar o time a manter ou desenvolver as habilidades relevantes e, por meio de treinamentos e reuniões, fornecer suporte a esse momento.

Seja estratégico: contrate por projetos

Às equipes de recrutamento das organizações, a sugestão é que, diante de demandas pontuais, avaliem a possibilidade de contratar profissionais temporários com habilidades relevantes para as novas tecnologias. Quase 75% dos empregadores entrevistados pelo World Economic Forum indicaram a alternativa como solução para suprir as necessidades de conhecimentos específicos. Trata-se de um movimento já consolidado na Europa e nos Estados Unidos e que começa a ser entendido no Brasil como uma ação estratégica para cargos que vão de analistas a diretores. São profissionais que chegam para eliminar a sobrecarga da equipe fixa, sem inflar o quadro de colaboradores permanentes.

O futuro é agora! Não há mais o que esperar!

*Fernando Mantovani é diretor geral da Robert Half

More From the Blog...