Relógio profissional: é hora de mudar de emprego?

Por Débora Martins

Acordar de manhã para trabalhar é um sacrifício? O dia parece arrastado e as horas demoram a passar? Você não se sente bem no ambiente de trabalho e sente que não colabora mais com o crescimento da empresa? Se a sua resposta foi para as três simples perguntas, talvez o seu relógio profissional esteja descompassado e seja a hora de acertar os ponteiros e, talvez, avaliar novas oportunidades.

Não é uma decisão fácil de ser tomada, principalmente em uma época em que o número de pessoas sem trabalho é grande. No entanto, reflita sobre o seu momento atual na empresa, seja honesto com você mesmo e analise o cenário com elementos que vão além das questões financeiras.  

Existe um período mínimo ou máximo para permanecer na empresa?

Não há uma resposta padrão para essa pergunta. O importante é que as pessoas tenham em mente que todo profissional é considerado um investimento para a empresa e é valorizado no mercado pela capacidade de completar ciclos de projetos e aprendizados. Diversos motivos levam um colaborador a trocar de emprego, seja em um longo ou curto espaço de tempo. O ponto de atenção está em ter sólidos e claros argumentos que justifiquem as saídas, sem parecer que o profissional costuma “pular de galho em galho”.

Planeje a saída

A falta de planejamento e organização são os principais erros na hora de pedir demissão. Deixar um emprego sem ter outra oportunidade em vista, mudar para a primeira oportunidade que aparecer ou se guiar apenas por questões financeiras não são as melhores saídas. O que pode ajudar o profissional nesse processo é elaborar um plano de carreira, que mapeie os objetivos de curto, médio e longo prazo, além das estratégias para alcançá-los. Também é importante o profissional analisar se possui as habilidades necessárias para atingir as metas. O sucesso raramente ocorre por acaso ou acidente, sendo fruto de muito planejamento e foco na execução.

Conheça seu novo destino

Para evitar arrependimentos, antes de aceitar uma nova oportunidade, procure conhecer bem a empresa que te oferece a posição. Sane todas as dúvidas em relação às funções a serem desenvolvidas, a empresa e sua cultura, o gestor e os pares, além de avaliar a localização física da companhia, os benefícios oferecidos e a oportunidade em longo prazo. Dessa maneira, não haverá nenhum equívoco depois de aceitar a vaga. Conversar com pessoas que conhecem a companhia ou o mercado de atuação também pode ajudá-lo. Ao realizar uma análise profunda, tendo ciência dos riscos e dos benefícios que haverá com a transição, possivelmente não se arrependerá.

* Débora Martins é especialista em recrutamento da Robert Half

Compartilhar essa página