Quando o certo é uma exceção e surpreende

Por Fernando Mantovani

Viralizou na internet esta semana o post de uma trabalhadora americana que pediu dois dias de folga para cuidar da saúde mental. Ao avisar os colegas de que ficaria fora, ela recebeu uma resposta do seu chefe, que dizia que ela era um exemplo, ajudando a cortar o estigma para que seja possível para todos darmos 100% no trabalho. Ela colocou esse comentário em uma rede social e o tema foi muito repercutido. O próprio chefe reconheceu que não esperava tamanha repercussão, ao afirmar que não acreditava que, em pleno 2017, a saúde mental em um ambiente de trabalho ainda é um assunto controverso.

Trabalho com recrutamento há mais de 10 anos e também dirijo uma empresa. Buscamos, sempre, proatividade e engajamento dos funcionários, queremos que eles vistam a camisa da empresa e entreguem resultados. Como exigir isso se a preocupação com a saúde deles ainda é deixada em segundo plano em muitas organizações?

Objetivo comum e resultado conjunto

Conquistar um equilíbrio justo entre as responsabilidades profissionais e as necessidades pessoais é um objetivo comum entre empresas e funcionários. Muitos colaboradores estão tentando administrar cargas de trabalho pesadas e, ao mesmo tempo, questões pessoais. É um malabarismo desafiador que pode fazer com que eles fiquem cansados e estressados.

Os gestores devem oferecer empatia e apoio, além de respeitar o momento de cada um, pois quando você respeita que os funcionários têm uma vida fora do trabalho, eles irão respeitá-lo muito mais e tornar-se mais leais. Apoiar o equilíbrio trabalho-vida pessoal trata-se de gerenciar o risco para a organização, além de ser a coisa certa a fazer.

Exemplo

Também é importante dar o exemplo. Seus colaboradores se espelham em você. Então, mostre a eles que tudo bem ter um equilíbrio saudável entre trabalho-vida pessoal. Tente sair do escritório em uma hora decente e evite a tentação de continuar respondendo e-mails tarde da noite. Tire férias e desligue quando estiver ausente. Não vá trabalhar quando estiver doente. Se você estabelecer limites adequados e proteger o seu tempo de inatividade, sua equipe vai seguir seu exemplo. Os resultados serão compensadores. Lembre-se: trabalhadores felizes e saudáveis, trabalham melhor, são mais inovadores e criativos. Invista nesta felicidade e apoie as necessidades individuais de cada um. Não deixe uma atitude certa virar uma exceção.

Leia mais sobre Felicidade no Trabalho em "Os segredos das empresas e colaboradores mais felizes"

* Fernando Mantovani é diretor-geral da Robert Half

Compartilhar essa página