Quando é preciso decidir entre o ético e legal

Quando é preciso decidir entre o ético e legal

Por Fernando Mantovani

Apesar de o assunto contraproposta já ter sido bastante debatido ainda observo que o tema continua sendo motivo de muitos equívocos no ambiente corporativo, tanto por parte do empregador quanto do colaborador.

Em recente conversa com um respeitado gestor de RH, soube de um caso curioso. Ao pedir demissão, após já ter aceitado verbalmente a proposta de outra empresa, uma funcionária disse a seu então empregador que poderia permanecer na empresa mediante uma proposta financeira atrativa, já que ainda não havia assinado nenhum documento com a organização que sinalizou o desejo de contratá-la.

Legalmente, a colaboradora em questão estava correta, pois o compromisso entre empregado e empregador só vale após a assinatura do contrato de trabalho e o registro em carteira. Porém, onde ficam as questões morais e profissionais nessa situação? Qual é o valor da nossa palavra? Qual é o real conceito sobre ética e cumprimento de acordos, ainda que sejam verbais?

Este tipo de comportamento, em última análise, tem gerado um efeito de quebra de confiança no mercado como um todo, de recrutadores a profissionais de RH. O momento não é de relembrar os efeitos negativos de uma contraproposta, mas mostrar a importância de se resgatar algo simples e fundamental para preservar a imagem e a carreira: o valor da nossa palavra.

Fernando Mantovani é diretor de operações da Robert Half Brasil.

Este artigo foi publicado em primeira mão no blog Sua Carreira, Sua Gestão, no site da Exame.com.

 

Compartilhar essa página