Profissões em alta: Analista de Compliance

Por Adriana Fonseca

O Analista de Compliance costuma atuar em duas frentes: financeira e jurídica. Nas duas áreas a procura por esse profissional está em alta.

A explicação é a atual situação do país e a insegurança que os desdobramentos da corrupção trouxeram para o ambiente de negócios.

Leonardo Berto, gerente de recrutamento da Robert Half, explica que, mais do que nunca, as empresas estão preocupadas em atender com rigor suas políticas internas. “Existe hoje uma atenção maior à ética que rege os relacionamentos comerciais”, diz. O compliance é uma tentativa de garantir que a relação com clientes, fornecedores e governos seja íntegra e ética.

Se antes esse tipo de preocupação estava presente apenas em companhias que atuam em mercados regulados, hoje está mais disseminada. “As multinacionais puxaram esse processo e hoje vemos equipes de compliance em um número maior de empresas, inclusive em negócios de médio porte”, diz Berto.

ÁREA FINANCEIRA

Profissionais que atuam com compliance na área financeira normalmente são formados em administração, economia ou ciências contábeis. Inglês é mandatório, até porque muitas referências são encontradas em literatura internacional. Além disso, boa parte das empresas que contratam esse tipo de profissional tem relacionamento com o mercado externo.

Berto diz que o mercado vem buscando profissionais com algum tipo de especialização direcionada à área jurídica ou de compliance.

Em relação às competências comportamentais, é importante que o profissional seja discreto, atento a processos, às políticas e à ética da empresa. De certa forma é até valorizado um perfil mais metódico e organizado, porque o profissional vai lidar com interesses e assuntos de diferentes áreas ao mesmo tempo. Habilidade de comunicação também é fundamental, porque é necessário comunicar-se de forma clara e objetiva, seja na redação de comunicados ou na exposição de processos e regras.

ÁREA JURÍDICA

As competências comportamentais exigidas de quem atua com compliance na área jurídica são bem semelhantes às descritas logo acima.

Maria Eduarda Silveira, gerente de recrutamento da Robert Half, explica que a formação mais comum é mesmo direito. Experiência anterior em compliance é sempre bem-vista, porém por se tratar de uma prática com maior evidência nos últimos tempos, existe um conjunto mais restrito de especializações nessa área, e por conta disso, é comum o mercado abrir o leque, considerando também profissionais com atuação prévia em direito civil, penal empresarial, societário e governança corporativa.

* Adriana Fonseca é jornalista, tem 15 anos de experiência na cobertura de carreiras, empreendedorismo e startups e já publicou no jornal Valor Econômico, na Folha de S.Paulo e na revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

 

 

Compartilhar essa página