Para crescer na carreira é preciso respeitar o tempo de cada etapa

Para crescer na carreira é preciso respeitar o tempo de cada etapa

Por Fernando Mantovani

Recentemente, em um hangout da Robert Half (bate-papo ao vivo pelo YouTube), um internauta disse que estava insatisfeito pois havia sido promovido abaixo de suas expectativas. Na época, foi-lhe dito que alcançando alguns quesitos, ele poderia no futuro receber um acréscimo no salário. Após um ano, ele disse ter cumprido todas as metas para receber o prometido ajuste salarial, mas isso não aconteceu. Talvez, isso já tenha acontecido com você ou você conheça um ou mais colegas que passaram por situações semelhantes.

O desejo de crescer na carreira e ocupar postos cada vez mais altos é genuíno, porém costuma vir acompanhado de uma ansiedade que pode ser prejudicial. No caso do nosso internauta, não sabemos o que lhe foi prometido, por isso levo a discussão para uma esfera mais ampla. Via de regra, não é usual que empresas promovam um funcionário ou deem aumento salarial de ano em ano.

Quanto tempo devo ficar no mesmo cargo?

Após uma promoção, de cargo ou financeira, espera-se que haja um amadurecimento do profissional na posição ou que ele entregue projetos de nível superior para que, assim, possa galgar mais um degrau na carreira. Esse período pode variar de dois a três anos ou mesmo tornar-se mais alongado em tempos de vacas magras como os que estamos vivendo.

Na geração anterior, a dos babyboomers, em que viveram muitos pais dos atuais profissionais em ascensão, era comum que um funcionário passasse 20, 30 anos dentro de uma empresa sem chegar a uma posição de gerência. Para a atual geração Y, essa é uma situação difícil de ser aceita. A grande maioria quer crescer – e rápido – na carreira. Só que não existe atalho.

Uma vez, na sala de entrevista, um candidato de 20 e poucos anos disse que não conseguia ficar muito tempo fazendo a mesma coisa, que precisava de constantes desafios e me traçou seu plano: era analista; perto dos 30, se tornaria um gerente; com 35, diretor; e aos 40 se tornaria presidente. Perguntei a ele: considerando que a expectativa de vida do brasileiro tem crescido e estamos trabalhando cada vez até mais tarde, o que você fará então dos 40 aos 70, por exemplo? Qual será seu desafio?

A vontade de crescer é sempre válida. Entretanto, é muito importante respeitarmos o tempo de cada etapa. Não estou falando em conformismo e estagnação. Uma carreira sólida e de sucesso se constrói com disciplina e paciência, dando um passo de cada vez.

 

Fernando Mantovani é diretor de operação da Robert Half Brasil.

Este artigo foi publicado originalmente no blog Sua Carreira, Sua Gestão, da Exame.com

Tags: Carreira

Share This Page