O que que há, velhinho? As vantagens de ter profissionais maduros nas empresas

Por Juliana Porto

Com o aumento da expectativa de vida, e mudanças na reforma da previdência, a tendência é que cresça o número de profissionais mais velhos no mercado de trabalho brasileiro. É exatamente o contrário do que ocorre hoje, com prevalência dos mais jovens nas empresas.

“A gente percebe que algumas empresas têm um perfil cultural de contratar pessoas mais jovens. Estas empresas tendem a trazer pessoas que se adaptem melhor a cultura da empresa. Mas isso é reativo. A tendência no País é que cada vez mais as pessoas trabalhem até mais tarde, então mercado tende a mudar no Brasil”, disse a consultora da Robert Half, Marcela Esteves.

Veja porque vale a pena manter profissionais maduros na sua equipe:

Troca de experiências: Nada como uma equipe em que a troca de experiências pode ajudar a melhorar os resultados. Enquanto os mais jovens podem colaborar com as informações como novidades em tecnologias ou tendências ao redor do mundo, os mais velhos têm suporte para usar sua bagagem profissional para analisar dados e ajudar nas tomadas de decisão.

Qualificação: uma trajetória corporativa mais extensa geralmente traz consigo anos de estudo e experiência com altos e baixos durante a carreira, o que traz uma qualificação muito superior além de mais segurança para o profissional em seu dia a dia.

Maturidade: ela só chega com anos de vida e experiência de trabalho. Um profissional mais velho fica menos estressado diante de um problema, por exemplo. Pontos como foco nos detalhes, concentração e pontualidade também são destacados por especialistas.

Efetividade: Os anos de experiência dão um entendimento superior de como os trabalhos podem ser feitos de maneira mais eficiente, o que ajuda as companhias a reduzir custos. A confiança, construída ao longo dos anos, significa que os profissionais maduros não irão hesitar em dividir suas ideias com o gestor.

Juliana Porto é jornalista desde 2005 e começou sua carreira escrevendo justamente sobre... carreiras! De lá para cá, já cobriu finanças pessoais, consumo e tecnologia em redações no Rio e São Paulo, mas sempre acaba voltando ao tema com que começou sua vida profissional.

Compartilhar essa página