O que o profissional de Marketing tem a aprender com uma orquestra?

*Por Bruno Mello

O Marketing bem desenvolvido chega a ser invisível porque está no sangue da empresa. É como o mestre Vicente Falconi fala sobre os processos. Eles precisam acontecer da mesma forma como o sangue percorre e irriga todas as partes de nosso corpo, que, por isso, funciona perfeitamente sem nem percebermos.

Agora, se há algum problema, logo percebemos. Uma orquestra tem funcionamento igual. E assim deveria ser com o Marketing. Depois de sentir a experiência de ver um espetáculo da Orquestra Sinfônica Brasileira do palco e acompanhar um ensaio da OSB, não pude deixar de fazer relações com o departamento das empresas. A Sinfônica é como o Marketing de uma grande companhia. São cerca de 120 músicos, metade por apresentação. O maestro é como um diretor da área. Entre os músicos, há semelhanças com gerentes, coordenadores e analistas.

A grande mensagem, e até óbvia, é que o Marketing deve ser uma grande orquestra. Todos devem dar o seu melhor. Se entregar mesmo. Ensaiar muito, pelo menos 12 horas por dia, para serem os melhores. Caso contrário, as notas saem pela metade, o erro acontece, o espetáculo não emociona e a crítica é implacável. O Marketing também depende de bons desempenhos, caso contrário, será cobrado pelo capital. Em uma orquestra, tudo deve funcionar perfeitamente para que cada parte forme o conjunto da obra.

É impressionante como cada músico tem um papel importante, que influencia no todo. O sincronismo deve ser perfeito e o comando do maestro, muito rápido, atento, firme e exigente. Seu semelhante, o diretor de Marketing, deve ser um verdadeiro maestro. Que puxa o time para o lado certo. Dá as orientações e direções necessárias para que as músicas se formem de maneira a emocionar a plateia. Para isso, analistas e coordenadores devem fazer seu dever de casa com excelência. Entoar as notas de maneira perfeita. Com entrega, muita paixão e com júbilo, como nos disse o maestro titular da OSB Roberto Minczuk. Os gerentes, além de capitanear sua equipe, são responsáveis pelos solos. Por levar o time ao máximo desempenho. E os diretores atuam como grandes maestros. Sendo referência para seus times.

Grandes líderes que têm como compromisso maior entregar marcas, produtos e serviços que façam diferença na vida das pessoas e da sociedade. Parece tudo muito simples e até clichê. Mas lhe convido a assistir a uma apresentação da Orquestra Sinfônica Brasileira e se comparar a ela. Se questionar: será que você está entregando o seu melhor para apresentar algo realmente diferente? É um grande desafio. Mas possível. Afinal, podemos acompanhar belos espetáculos e grandes marcas cumprindo com seu papel. Basta tocar conforme a música exige.

*Bruno Mello é fundador e editor executivo do portal Mundo do Marketing. Formado em jornalismo pela FACHA e com MBA em Gestão de Marketing pela UFRJ, trabalhou no Jornal de Turismo, na Rádio Carioca cobrindo economia, em sites e revista sobre automobilismo e no site da TVE Brasil, hoje TV Brasil. Fez Planejamento de Comunicação e Assessoria de Imprensa e Marketing para ONGs, piloto de Stock Car e para a Organização Hélio Alonso de Educação e Cultura.

Compartilhar essa página