Manual para sobreviver a uma demissão

*Por Alessandra Ferraz

Via de regra, ninguém quer ser demitido e isso se torna pior quando não percebemos nenhum sinal de que isso vá acontecer. Passamos pelo luto da perda do emprego, pela euforia das férias forçadas e finalmente começamos a busca por uma nova colocação. Ter autocontrole para não deixar a ansiedade tomar conta é fator decisivo para sobreviver a essa fase. E é ainda mais crítico quando o tempo para encontrar um novo emprego torna-se maior do que o imaginado.

Tenha foco
Aplicar-se para toda vaga que aparece não vai fazer você ser contratado mais rápido. Pelo contrário. Quando não há critério, você perde credibilidade e seu currículo vira “figurinha repetida” nos processos de recrutamento. Por melhor profissional que seja, você não é especializado em tudo. Por isso, não banalize seu currículo. Estude as vagas, as empresas, veja onde realmente tem condições de atender ao perfil solicitado e se a cultura e valores da organização estão em sintonia com os seus.

Estude o mercado
Aproveite seu dia para estudar quais os segmentos da economia estão mais aquecidos, onde há investimentos e incentivos do governo. Tente identificar empresas estrangeiras com interesse de iniciar uma operação no Brasil. A partir daí, avalie como você, com sua experiência, pode aproveitar alguma dessas oportunidades.

Use o tempo livre a seu favor
No período de busca por um novo emprego temos muito tempo livre e não há nada de errado com isso. Aproveite-o para colocar os exames médicos em dia, ir ao dentista. Invista em cursos de atualização. Há diversas opções on-line, pagas ou gratuitas, para estudar idiomas, aprofundar temas específicos em diversas áreas em instituições de renome nacional e internacional. Faça um trabalho voluntário, pratique um esporte. Movimente seu corpo, ao menos trinta minutos de atividade física por dia são essenciais! Nesse período é importante que sua mente, seu corpo e seu espírito estejam em equilíbrio para que você atinja seu objetivo.

Não se culpe
Estar desempregado não faz de você um profissional ruim. As condições da economia brasileira mudaram. Tenha paciência. Os processos seletivos estão mais longos. As empresas estão mais cautelosas em suas contratações. Não é uma questão pessoal, é um momento de mercado.

Aceite projetos temporários
Com o cenário de incertezas e as empresas com recursos limitados para aumentar o número de funcionários, crescem as oportunidades de trabalho temporário. Geralmente, são projetos importantes que não podem ser adiados, mas que não contam com verba para uma contratação específica. Para você é uma oportunidade de diversificar a experiência, fazer contatos e adquirir novos conhecimentos. O mercado tem mostrado ainda que esta é uma porta de entrada para uma posição permanente dentro das companhias.

Faça ajustes na rotina familiar
A família é seu principal aliado para superar esse momento. Seja transparente, compartilhe sua situação e o que está fazendo para revertê-la. Assim, você terá apoio para reduzir gastos. Esclareça que até as coisas melhorarem, todos terão que fazer concessões.

Veja também:Pesquisa Salarial 2017

Cuide de seu networking
Mantenha-se ativo com sua rede de relacionamento. Sempre que possível, encontre com as pessoas, vá a fóruns e conferências, participe de grupos de discussão. Procure mostrar como você pode agregar valor com seu conhecimento e experiência. Quem não é visto, não é lembrado. Por fim, tenha em mente que estar desempregado não quer dizer estar parado. A todo momento, você pode aprender coisas novas que serão muito úteis no seu dia a dia profissional. Gaste sua energia com aquilo que realmente poderá valer a pena. Esses cuidados vão te ajudar a estar mais preparado para quando sua oportunidade chegar. Alimente a sua motivação diariamente, pois quanto mais positivo você se manter, mais fácil será superar essa fase. Dedicação e persistência também fazem parte do caminho para o sucesso.

"O primeiro passo rumo ao sucesso é dado quando você se recusa a ser um refém do ambiente em que se encontra" – Mark Caine

*Alessandra Ferraz é consultora da Robert Half no Rio de Janeiro.

Compartilhar essa página