Inglês no mercado de trabalho, a fluência é indispensável não apenas para cargos de gestão

Inglês no mercado de trabalho

*Por Fernando Mantovani

Em mais de dez anos de experiência com recrutamento e seleção, ainda me deparo com o mesmo problema: a negligência quanto à importância do inglês no mercado de trabalho. Mesmo com a popularização do ensino do idioma, o real domínio deixa a desejar.

A importância do inglês para negócios

Certa vez, um candidato para uma posição de diretoria afirmou em seu currículo que tinha conhecimentos em inglês. Suas credenciais eram excelentes e ele foi chamado para entrevista. Na conversa, ele disse que falava vários idiomas menos grego. Quando questionado sobre inglês, ele respondeu “inglês pra mim é grego” e sorriu. Pode até ser engraçado, mas nesse caso, ficou sem a vaga.

Hoje, a exigência do inglês no mercado de trabalho não está restrita a cargos altos ou grandes empresas. Um analista júnior, um estagiário ou recepcionista de uma companhia média pode precisar do idioma nas suas tarefas diárias. Para cargos mais elevados, então, ele é mandatório.

Leia também: Expressões de negócios em inglês

Engana-se quem pensa que é preciso morar fora para falar fluentemente. Sim, isso ajuda e acelera o aprendizado. Mas não é o único caminho. Conheço um bom número de pessoas que aprenderam muito bem o idioma sem sair do Brasil. A grande diferença é que nesse caso não há outro caminho a não ser estudar muito e aproveitar todo o contato possível com a língua. É preciso colocar o livro sobre a mesa!

Fernando Mantovani é diretor de operações da Robert Half Brasil.
Este artigo foi publicado em primeira mão no blog Sua Carreira, Sua Gestão, da Exame.com.

Compartilhar essa página