Home office não é "coisa de mãe”

Muita gente pensa que o trabalho a distância funciona mais para mulheres que também são mães, mas não é bem assim - apesar de que as vantagens para elas são inúmeras. Um estudo recente, feito pelo Flex+Strategy Group com 556 trabalhadores americanos, mostra que há mais homens trabalhando remotamente que mulheres.

Entre os entrevistados, 31% disseram fazer a maior parte do trabalho a distância. E, entre esses, 71% são homens. Este não é o primeiro levantamento que derruba o mito de que são as mães as que mais trabalham remotamente. Outra pesquisa, conduzida pela Harris Interactive também nos Estados Unidos, aponta que 37% dos homens e 31% das mulheres trabalham de casa.

Para a CEO do Flex+Strategy Group, Cali Williams Yost, esses resultados mostram que as mulheres relutam em pedir para trabalhar de casa com medo de serem rotuladas no escritório como “as mamães que precisam de flexibilidade”.

O levantamento do Flex+Strategy Group mostrou ainda que, entre os profissionais que trabalham remotamente, não há uma representatividade maior de pessoas com filhos ou de alguma faixa etária específica. “O trabalho a distância não é um benefício e certamente não é apenas para mães ou jovens da geração Y”, disse Cali. “Mais que isso, é uma estratégia operacional.”   

Compartilhar essa página