Por que a Saúde Mental dos funcionários é especialmente importante hoje — e o que os gestores podem fazer?

Por Robert Half on 7 de outubro de 2020

O estresse contínuo tem sido um obstáculo para um local de trabalho saudável, especialmente quando leva ao esgotamento - maior distanciamento do trabalho e menor eficácia. Uma recente pesquisa internacional envolvendo 1.500 executivos1 conduzida pela Robert Half descobriu que 37% dos empregadores estão cientes que seus funcionários estão lidando com altas cargas de trabalho e estão à beira do esgotamento devido à pandemia de COVID-19. Em resposta, 42% das empresas pesquisadas começaram a oferecer auxílios em saúde mental, e 32% desenvolveram programas gerais de bem-estar para seus funcionários.

A ansiedade e a incerteza associadas à pandemia contínua estão, evidentemente, diminuindo o bem-estar mental de muitos gestores e funcionários. Novos agentes de estresse para aqueles que trabalham em casa geralmente incluem cargas de trabalho maiores devido a uma redução no quadro de funcionários, falta de interação pessoal com os colegas de trabalho e o desafio de cuidar de crianças ou idosos durante sua jornada.

Para obter uma perspectiva do funcionário, a Robert Half também entrevistou profissionais trabalhando em casa desde as primeiras semanas da pandemia2, e 37% deles responderam que estão trabalhando por mais horas do que antes da COVID-19. Notavelmente, apenas 10% sentem que a pandemia levou a relacionamentos mais próximos com seus colegas. Além disso, uma faixa ainda menor (8%) dos entrevistados relatou maior proximidade com seus gestores após a pandemia.

Portanto, há claramente muito trabalho a ser feito para manter a saúde mental e o bem-estar em meio à crise atual. Como os gestores desempenham um papel essencial sobre como suas organizações lidam com a pandemia, e próximos ao Dia Mundial da Saúde Mental, em 10 de outubro, apresentamos algumas sugestões para ajudá-lo. Elas incluem ideias de Nic Marks, um importante estatístico baseado em Londres, especialista em bem-estar e fundador da Friday Pulse.

Aborde a questão do bem-estar e saúde mental com atenção

Há muito tempo a saúde mental é um tema tabu no local de trabalho. Parte disso porque, para alguns, saúde mental remete à doença mental. E, como diz Marks, "Ninguém quer ser visto como um problema a ser corrigido."

Outra razão pela qual a saúde mental não é muito discutida é que os empregadores simplesmente não a vêem como sendo de sua responsabilidade. Eles ainda não perceberam por que o bem-estar dos funcionários deveria ser importante para eles.

Hoje, no entanto, a economia pós COVID-19 e o trabalho remoto aumentaram essa aposta. Aqueles gestores que promovem discussões abertas sobre o bem-estar de seus funcionários e que ouvem aqueles com dificuldade em lidar com novas frustrações e situações de estresse podem ajudá-los a evitar o esgotamento. Através de sua empatia, você pode convencer seus funcionários a compartilhar suas histórias sobre o que estão passando no trabalho. Aumentar sua compreensão sobre os problemas que os afetam pode levá-lo a formular possíveis soluções. Recentemente vários gestores demonstraram disposição em compartilhar suas próprias histórias, apesar da preocupação de alguns de que isso poderia fazê-los parecer vulneráveis. Por outro lado, a recompensa é alta pois, ao perceber o apoio, mais funcionários se sentirão à vontade para falar.

O que deveria ser uma preocupação maior para os empregadores é que seus melhores funcionários podem estar entre os mais suscetíveis ao esgotamento. “É claro que o esgotamento ocorre principalmente entre as pessoas mais engajadas com seu trabalho”, diz Marks. “Estas estão dispostas a ir mais longe e, ao fazê-lo, realmente acabam exagerando e se sobrecarregando totalmente. Pessoas que não se importam muito com seu trabalho simplesmente não empenham aquele esforço extra que as levaria ao limite.”

Comunique-se 2 a 3 vezes mais

Conforme indicado pelos resultados da pesquisa, muitas empresas estão priorizando programas de saúde mental e bem-estar dos funcionários em função da pandemia.

No entanto, muitos desses programas não são uma solução para tudo, de acordo com Marks. “Muitos programas de bem-estar representam mais oportunidades para o cuidado individual, como cursos de atenção mental e canais de aconselhamento. Esses programas são úteis e as empresas estão certas em buscá-los, porém, muitas pessoas sob pressão não têm tempo para se comprometer com essas iniciativas de cuidado individual.”

É aí que entra o apoio de seus gestores. Falar regularmente com sua equipe é a sua ferramenta mais eficaz para reduzir o estresse e o esgotamento. A comunicação eficaz sempre foi uma habilidade essencial de gestão, porém, esta tornou-se imprescindível quando os funcionários não estão mais fisicamente juntos. Uma boa regra prática é falar individualmente ou para grupos pequenos, de 2 a 3 vezes mais do que faria no escritório.

Marks afirma: “Na Friday Pulse, recomendamos que as organizações perguntem sistematicamente a todos seus funcionários como eles estão se sentindo, todas as semanas.” “Fazer isso na empresa garante menos equipes mal gerenciadas, uma vez que os resultados aparecem mais rapidamente e os líderes seniores podem sempre intervir para oferecer suporte direcionado onde for mais necessário.”

Ao conversar com sua equipe, ouça atentamente para saber exatamente como eles estão se sentindo e lidando com esses novos elementos de estresse - socialização limitada, restrição de opções de descanso e lazer e aprendizado virtual, por exemplo. O estresse também pode vir do fato de sua equipe ver amigos e familiares sendo demitidos, o que pode facilmente levar a uma sensação de insegurança no trabalho.

Você precisa se comunicar virtualmente, é claro. Faça chamadas de vídeo sempre que possível. É surpreendentemente positivo para os membros da equipe ver uns aos outros, conversando, traçando estratégias e sorrindo quando tantos de nós estamos isolados.

Ligações rápidas em grupo, talvez 15 minutos semanais, independentes das reuniões corporativas, são algo que possivelmente sua equipe irá apreciar. Porém, não convoque muitas pessoas nessas ligações. “Se essas reuniões incluírem mais de quatro ou cinco pessoas, os mais introvertidos não se sentirão à vontade para falar”, observa Marks. Muitas pessoas em uma chamada também podem gerar conversas paralelas que distraem e confundem.

Ofereça alívio na carga de trabalho

“Nossos dados mostram que o equilíbrio entre vida profissional e pessoal se deteriorou significativamente em nossa base de clientes”, afirma Marks. “Antes da pandemia, a pontuação média em nossa escala de 0-100 era 72, mas, recentemente, caiu para 67. E esses níveis de equilíbrio entre vida pessoal e profissional permaneceram esquecidos desde março. Isso sugere que se trata de um problema contínuo e com novas formas de trabalhar, ao invés de uma questão sazonal.”

Desequilíbrios na vida profissional e pessoal frequentemente refletem um aumento no estresse - levando inclusive ao esgotamento. Uma vez que isso pode ajudar aos gestores a compreender os fatores que causam essa condição aos funcionários, perguntamos àqueles que relataram esgotamento em uma pesquisa da Robert Half nos EUA em setembro de 2020 quais eram os motivos. A principal resposta (30%) foi maiores cargas de trabalho. Isso superou até mesmo "incapacidade de separar a vida pessoal e profissional ao trabalhar remotamente" (19%) e "menores recursos e orçamentos" (14%). Os empregadores entrevistados ainda reforçaram: Os membros da equipe que administravam as maiores cargas de trabalho e à beira do esgotamento eram a principal preocupação de 47% dos gestores seniores quando perguntados sobre os desafios do confinamento.

Pessoas sobrecarregadas representam, pelo menos em partes, o resultado de cortes de pessoal que as empresas foram obrigadas a fazer em função dos efeitos econômicos da pandemia. Mesmo se você não estiver em condições de contratar neste momento, você pode aliviar a pressão sobre seus funcionários trazendo profissionais para projetos especializados e qualificados para ajudá-los nas áreas mais críticas. 

Você também pode oferecer maior flexibilidade à sua equipe sugerindo trabalho em "janelas". Isso significa simplesmente permitir que eles dividam seu dia de trabalho em unidades menores de tempo (“janelas”), separadas por intervalos pessoais. A maioria dessas janelas provavelmente será ocupada durante o horário de expediente, porém, algumas podem ocorrer antes ou depois, dependendo da preferência do funcionário.

Além disso, incentivar seus funcionários a tirar um tempo de folga, mesmo em um momento em que as viagens de férias são muito limitadas, pode permitir que eles simplesmente relaxem um pouco, o remédio definitivo contra o estresse e o esgotamento.

Como os gestores podem complementar programas de bem-estar

  • Compreendendo que seu envolvimento é fundamental.
  • Agendando videochamadas breves e semanais com sua equipe apenas para saber como as pessoas estão lidando com a nova configuração de trabalho e outras situações.
  • Brainstorm de ideias para reduzir o estresse e o esgotamento.
  • Sendo empático: Como sua equipe está se sentindo e lidando com os elementos de estresse?
  • Mantendo chamadas individuais regulares com os membros da equipe.
  • Trazendo profissionais temporários qualificados para aliviar gargalos. 
  • Sugerindo trabalho em janelas.
  • Incentivando sua equipe a tirar uma folga breve.

Seus esforços para permitir um local de trabalho que favoreça o bem-estar mental não só beneficiarão seus funcionários, mas também os seus negócios. Ao fazer isso, Marks estima que as empresas podem gerar um retorno sobre o investimento de 5 vezes. “A jogada”, diz ele, “é que você precisa investir tempo e esforço, e não apenas dinheiro”.

Para mais sugestões sobre o impacto da COVID-19 nos negócios e no trabalho, visite:

Os impactos da COVID-19 nos negócios

Benefícios pós-pandemia: o que muda daqui para frente?

E para falar com um de nossos consultores, entre em contato:

 
1A Robert Half encomendou uma pesquisa envolvendo 1.502 participantes c-suite através de uma metodologia de coleta online ao longo de julho de 2020. O levantamento considerou 300 entrevistas na Bélgica, 300 no Brasil, 301 na França, 300 na Alemanha e 301 no Reino Unido. Foram ouvidos Gerentes Gerais, Diretores Financeiros e Diretores de Informação com responsabilidades de contratação em pequenas (50-249 funcionários), médias (250-499 funcionários) e grandes (mais de 500 funcionários) empresas públicas e privadas nesses cinco países.
2Conduzida entre 6 de maio e 12 de junho de 2020, essa pesquisa online da Robert Half coletou respostas de mais de mil profissionais baseados no Reino Unido, França, Bélgica, Áustria, Suíça, Emirados Árabes Unidos, Holanda, Luxemburgo e Alemanha, acima dos 18 anos, normalmente trabalhando dentro de um escritório.
Hide Breadcrumb
Off
Hide Title
Off

More From the Blog...