Hunting: guia completo dessa prática no processo seletivo

Por Robert Half on 9 de Janeiro de 2020

Sempre que o assunto se relaciona ao processo de recrutamento e seleção, o fio condutor é a necessidade de se adotar um formato eficiente e que resulte em uma contratação adequada por meio da agilidade e de ferramentas que facilitem a identificação do melhor candidato para vaga. O hunting, assunto do artigo de hoje, é um dos instrumentos disponíveis para que as empresas possam atingir a esse objetivo.

Quer saber mais do que se trata o hunting, melhores explicações a respeito do seu funcionamento, benefícios e como acertar na escolha de quem pode prestar esse serviço a sua empresa? Esse artigo revela essas e outras informações interessantes para o seu negócio. Boa leitura!

1. O que é hunting

Hunting é uma palavra que vem do inglês. Em tradução livre, significa “caça”. Ao transportar esse conceito para a área de recursos humanos, é fácil chegar até a definição do termo: hunting é o processo de busca do candidato ideal para uma função em aberto. 

Sua principal finalidade é captar os profissionais ideais para cada vaga, dentro da experiência desejável já adquirida ao desempenhar funções semelhantes às que estão em aberto e características pessoais que estejam alinhadas à cultura organizacional do negócio.

Os chamados headhunters ou consultores são os agentes desse processo, prestando uma espécie de assessoria ao setor de recursos humanos da empresa. Esse trabalho resulta em um melhor atendimento sobre o momento atual do mercado de trabalho, o que diminui os riscos de o processo seletivo terminar em uma contratação inadequada.

Tudo isso com cautela, sigilo e agilidade, princípios básicos de quem trabalha como headhunter. Além disso, contratar um serviço de recrutamento especializado externo livra a empresa de pressões internas e vícios, aumentando as chances de acertar na contratação logo de cara.

1.1. Diferença entre search e hunting

Chamamos de search o recrutamento tradicional. E você pode estar pensando: por qual motivo eu adotaria o hunting no lugar do search? Entenda as diferenças:

Search

O recrutamento tradicional geralmente é feito integralmente pelo departamento de recursos humanos, considerando os candidatos que estão a disponíveis no mercado e demonstram interesse em trabalhar na empresa.

Assim, a vaga é anunciada e os profissionais enviam seus currículos ou preenchem formulários, disputando a oportunidade.

O search não é de todo mal, sendo uma ótima uma opção para vagas operacionais, cujas definições sobre competências técnicas são bem estabelecidas, que buscam um perfil profissional mais técnico. É possível automatizar as etapas desse processo, trazendo agilidade e eficiência a seletiva. 

Hunting

Explicamos anteriormente que o headhunter vai à caça de profissionais mais aptos a ocupar um cargo, geralmente de alto escalão, por meio da sua rede de network, levando em consideração as principais necessidades da vaga e da empresa como um todo.

Esse mecanismo de funcionamento faz com que o conceito seja aplicado para o recrutamento de executivos, em que o headhunter busca os melhores profissionais independentemente de estarem ou não empregados.

A abordagem realizada é bastante inteligente porque não se trata apenas de uma divulgação da vaga e sim a venda do cargo e da imagem da empresa. Nesse contexto, a proposta apresentada precisa ser tentadora. Por isso, é comum que a oferta fuja do que o mercado costuma oferecer, afinal, é preciso realmente atrair o talento.

Vale pontuar que os critérios de seleção também são mais subjetivos que no recrutamento tradicional. O headhunter considera habilidades como:

  • inteligência emocional;
  • empatia;
  • foco no resultado;
  • motivação;
  • posicionamento ético e conduta no trabalho;
  • atitude de dono.

2. Como funciona o processo de hunting?

Não há dúvidas de que a contratação de talentos é um grande desafio para as empresas, especialmente aquelas que sabem bem o valor do capital humano para ir além dos resultados esperados.

Essa longa caminhada começa logo na busca por esses profissionais. Por isso, é fundamental conhecer não só as técnicas de recrutamento, como também as estratégias de hunting. E para que você possa utilizar esse mecanismo como um diferencial competitivo, vamos revelar o passo a passo do processo. Entenda.

2.1. Perfil da vaga

Ao contratar um headhunter, o primeiro passo para preencher a vaga em aberto é estabelecer o perfil dessa oportunidade. E é papel da organização que fará a contratação definir qual o tipo de profissional que deve fazer parte da equipe.

O perfil da vaga deve ser delimitado por meio de informações como:

  • aspectos relacionados aos conhecimentos técnicos e comportamentais;
  • expectativas para o futuro da vida profissional;
  • experiência e visão de mercado;
  • fit cultural.

Essas e outras características devem estar bem definidas para que a escolha realmente possa suprir as necessidades do negócio e que a contratação seja um investimento que possa trazer o devido retorno positivo em curto, médio e longo prazo.

2.2. Levantamento de critérios

Uma vez que o trabalho de um headhunter é baseado em critérios, é necessário fazer um levantamento de quais seriam os pontos ideais a serem considerados, tanto em relação às políticas da empresa, como ao trabalho que vai ser desempenhado. Dito isso, vamos utilizar a etapa anterior como exemplo.

Ao estabelecer o perfil da vaga, a empresa manifestou desejo em considerar além das competências técnicas e pessoais — um requisito básico — as experiências vividas pelo profissional. Logo, qual será o critério para acessar a essas informações? Buscar registros nas redes sociais? Entrar em contato com os antigos empregadores?

Tudo vai depender da atual situação desse candidato em potencial. Se ele trabalha há muitos anos em uma empresa, talvez não seja uma boa ideia descobrir como é a sua atuação entrando em contato com seus chefes. Um bom headhunter vai saber conduzir essa etapa de maneira adequada.

2.3. Mapeamento do mercado

Um bom headhunter dedica-se a descobrir qual a faixa salarial ideal a ser oferecida, o tipo de especialização mais adequada aos objetivos da empresa e o que ela deve oferecer em relação a benefícios e plano de carreira para atrair e reter os talentos mais valiosos presentes no mercado.

Os critérios levantados na etapa anterior devem ser condizentes com o mercado de trabalho, por isso o mapeamento de mercado é, acima de tudo, uma conduta responsável. Isso porque é por meio dele que o headhunter consegue realizar uma busca eficiente pelo profissional mais adequado.

Para que a futura abordagem seja um sucesso, é ideal que o cargo esteja preferencialmente acima das ofertas que os profissionais costumam encontrar por aí. O que vale é a lei da atração, especialmente para aqueles que têm experiência e formação ímpares em relação aos outros indivíduos que costumam atuar na área, de modo que a sua entrada em qualquer empresa possa ser considerado um diferencial competitivo.

2.4. Abordagem dos potenciais candidatos

Quando todas as etapas anteriores forem finalizadas, é hora de abordar os candidatos em potencial. Geralmente, a primeira abordagem se dá por uma conversa mais informal, para que o headhunter entenda qual a situação atual do candidato e ele compreenda as necessidades da empresa.

O intuito dessa fase é compreender e fazer um ranqueamento dos profissionais mais adequados para ocupar o cargo, estabelecendo uma ordem de acordo com as chances da contratação ser um sucesso.

2.5. Proposta final

Após a conclusão de todas as fases do processo, o headhunter apresenta uma lista com os finalistas da seletiva para o gestor da vaga em aberto, responsável pela área de Recursos Humanos ou diretores da empresa.

Devem ser especificados os pontos fortes e fracos de cada candidato, para que o melhor profissional seja selecionado, indo de encontro ao cenário do mercado de trabalho atual como também as expectativas da empresa contratante.

Todos os profissionais incluídos na contratação desse novo colaborador devem estar presentes nesse momento, em que será definido qual será a proposta final e como o escolhido será abordado pela última vez.

3. O que torna o hunting um processo diferenciado?

Processos seletivos, treinamento e capacitação de funcionários, integração e despesas da própria admissão, gastos recorrentes com turnover ou rotatividade de colaboradores pesam no orçamento de qualquer empresa, além de prejudicar a imagem do negócio.

Nessa perspectiva, o hunting pode ser considerado como um investimento. A busca inteligente por executivos promovida por essa atividade, faz com que o conceito assume uma posição de solução em recrutamento seguro e eficiente, já que tem o poder de potencializar os resultados da empresa.

Dessa forma, o que torna o hunting um processo diferenciado é a capacidade de transformar uma simples busca por um novo colaborador em uma verdadeira caça a um talento compatível com o cargo e com a cultura da empresa — o que já mencionamos ao longo deste artigo.

No entanto, para colher os louros desse processo, é necessário que a aplicação desse conceito seja feita de forma adequada. Explicamos anteriormente que uma das diferenças entre o search e o hunting é a abordagem aos profissionais: enquanto o search divulga vagas, o headhunter vai atrás dos profissionais em diversos canais.

Para que o processo realmente faça a diferença, ele deve obedecer à orientações específicas, considerando o estudo do mercado de trabalho, os profissionais disponíveis e o que podem oferecer. Do contrário, uma abordagem crua e vazia pode espantar esse candidato e evitar que ele chegue a sua empresa mesmo por meio do recrutamento tradicional.

O hunting se diferencia justamente por esse trabalho minucioso de captação, embasado em pesquisa e realizado por meio de negociações. Sem essa postura, o contratado pode ser menos qualificado que o desejado e as chances do cargo apresentar uma rotatividade além do que é aceito são grandes.

4. Quais são os benefícios em contar com o hunting?

Você já deve ter percebido que aplicar o hunting no recrutamento pode trazer uma série de benefícios para a organização. Para que isso fique ainda mais nítido, pontuamos algumas das principais vantagens em contar com o apoio desse mecanismo. Confira.

4.1. Detalhamento das necessidades da vaga

O conhecimento e experiência para detalhar as necessidades da vaga, percebendo as demandas da empresa de acordo com a sua cultura organizacional e considerando os principais aspectos emocionais e técnicos para desempenhar uma função, resultando em especificações mais adequadas às reais necessidades do negócio. 

Essa é uma atitude benéfica por si só. Quando mais afunilada forem as questões relativas do que é considerado o ideal, a probabilidade de errar na contratação é proporcionalmente menor. Com isso, excluem-se os possíveis gastos com demissões cíclicas, altos índices de turnover e novos processos seletivos que tendem a ser mais caros dependendo da complexidade da vaga.

Outra vantagem relacionada a esse detalhamento é que é dada a real importância da força desses cargos em aberto. Isso significa que, se a empresa está em busca de um colaborador do mais alto escalão, os candidatos em potencial estarão a altura da vaga.

Assim, a empresa não corre perigo de contratar um profissional que ainda não está preparado para assumir tamanha responsabilidade, o que pode ser bastante prejudicial para a saúde financeira do negócio e manchar a sua imagem como empregadora.

4.2. Recrutamentos mais acertados

O hunting se baseia no contato direto com os profissionais que atendem até mesmo as especificações mais detalhistas, previamente traçadas. Se os perfis não têm o fit perfeito, o trabalho do headhunter é localizar o candidato com o perfil mais próximo do que foi minuciosamente idealizado.

Com isso, os recrutamentos tendem a ser mais eficazes. A eficiência também tem como apoio a principal diferença entre hunting e search, já explicada anteriormente: enquanto o recrutamento tradicional recebe currículos, o recrutador responsável pelo hunting vai à caça dos talentos mais adequados para a empresa.

4.3. Processo seletivo ágil

Embora o trabalho do headhunter seja minucioso e altamente estratégico, ele também pode ser classificado como objetivo, já que consegue ir direto ao ponto na hora de fazer o recrutamento e a seleção do executivo.

Por isso, ao colocar a seletiva sob responsabilidade desse profissional, a tendência é que os candidatos ideais sejam localizados de maneira ágil e, consequentemente, a contratação seja feita com a mesma rapidez.

A otimização de custos também deve ser considerada. Uma vez que etapas como a de triagem dos currículos e as entrevistas são suprimidas pelo trabalho do headhunter, o processo acaba saindo mais barato. Principalmente porque o recrutador costuma ser terceirizado — dificilmente você terá um headhunter em seu quadro de colaboradores, certamente ele será um prestador de serviços contratado temporariamente.

4.4. Êxito no preenchimento de vagas estratégicas

Todas essas questões resultam no sucesso com relação ao preenchimento de vagas estratégicas — um dos grandes desafios das empresas mais atualizadas.

O formato praticado pelo hunting permite que os profissionais ideais para realizar esses trabalhos sejam localizados. Geralmente, essas pessoas não estão em busca de processos tradicionais, cientes de que há uma vaga em aberto em outra companhia ou sequer interessadas em um novo cargo — já que provavelmente ocupam um cargo de destaque no emprego atual.

No entanto, como você aprendeu ao longo do texto, o papel do headhunter é encontrar essas pessoas e delinear a melhor proposta para elas. Esse comportamento estratégico faz com que esse tipo de recrutamento seja bem-sucedido.

5. Como contratar uma empresa de headhunter

Para alcançar os benefícios concedidos pelo hunting, é necessário contratar um serviço adequado às suas necessidades e que tenha competência para realizar um bom recrutamento. Veja quais requisitos merecem atenção.

Conhecimento e a experiência de mercado

Para ser bom headhunter para a sua empresa ele deve, obrigatoriamente, conhecer as principais características do seu ramo de atuação. Como cada área tem suas particularidades, conhecimento e experiência no recrutamento são fundamentais para recrutar os profissionais mais adequados ao setor.

Liderança de mercado

Encontrar o candidato ideal para ocupar uma vaga na sua empresa não é um trabalho simples. Quanto maior for a complexidade do cargo e das responsabilidades que esse profissional terá no seu dia-a-dia, mais especializações, experiência e características pessoas específicas ele deve apresentar para gerar os resultados esperados.

Recrutamentos tão importantes exigem uma parceria entre empresas de recrutamento e seleção, garantindo o sucesso do processo e a contratação de um profissional que traga consistência à equipe e a fidelização do time em questão.

O que difere o hunting dos processos de recrutamento tradicionais é que enquanto os modelos clássicos têm uma conduta mais pacífica, o hunting busca mapear esses candidatos e assim localizar profissionais mais adequados ao perfil da vaga e a cultura organizacional da empresa.

6. Por que escolher a Robert Half para realizar um recrutamento especializado?

Quando se fala em recrutamento especializado, não é preciso ter dúvidas de qual empresa contratar. A Robert Half tem vasta experiência no assunto. A seguir, confira algumas das vantagens de obter nossos serviços.

Tradição no mercado

A Robert Half é uma consultoria de recrutamento especializado fundada nos Estados Unidos em 1948. A empresa presta serviços no Brasil há 12 anos e está presente em outros 18 países. Com mais de 70 anos de mercado, a Robert Half desenvolveu métodos exclusivos de planejamento, treinamento, execução e aperfeiçoamento de seus métodos.

Tecnologia de informação

A Robert Half conta com ferramentas de ponta e uma vasta rede de contatos, o que possibilita que alguns candidatos sejam chamados antes da abertura do processo seletivo, caso haja compatibilidade com a vaga. Isso agiliza todo o trâmite de contratação, que pode ser demorado nos processos tradicionais.

Time exclusivo para efetuar buscas

A Robert Half tem um time especializado e apto para efetuar buscas pelos candidatos ideais. Isso garante um processo ágil e com qualidade. Além disso, a especialização da equipe, configurada pelo perfil consultivo, faz com que o cliente entenda exatamente o que ele quer. Em alguns casos, a empresa contratante muda completamente o perfil da vaga após o alinhamento com a consultoria.

Otimização do desempenho econômico do cliente

Contratar um serviço de recrutamento especializado pode fazer com que o retorno sobre o investimento em um processo de seleção seja mais vantajoso. O processo tradicional pode ser demorado e caro, já que o setor de RH se mobiliza para a seleção, bem como gestores imediatos e outros analistas. Isso pode fazer com que a produtividade seja prejudicada.

Além disso, o recrutamento especializado ainda diminui as chances de uma contratação equivocada, que também pode gerar encargos indesejáveis para as empresas.

Você pôde ver que o recrutamento especializado é uma ótima opção para empresas que queiram ter resultados expressivos e positivos em seus processos seletivos. Isso ocorre com a consultoria da Robert Half porque os recrutadores conseguem explorar tanto as habilidades técnicas quanto as competências de cada candidato!

Além disso, o processo se torna mais rápido, devido ao banco de dados que a Robert Half dispõe e o bom relacionamento com candidatos que já passaram por outros processos.

Quer saber mais detalhes de como funciona o recrutamento especializado da Robert Half? Entre em contato conosco!

More From the Blog...