Como uma consultoria de hunting ajuda na sucessão empresarial?

Por Robert Half on 29 de julho de 2020

Por Mario Custodio

São diferentes os motivos que podem ocasionar uma sucessão empresarial. Entre os mais comuns está a movimentação de carreira. Ela acontece quando o profissional está disposto a enfrentar novos desafios, buscando um crescimento vertical, o desenvolvimento em outro setor do mercado, ampliação do escopo de trabalho ou, ainda, por uma mudança de emprego. 

Para que isso aconteça sem maiores problemas, e não seja necessário alterar os planos por falta de estrutura organizacional, desde cedo é preciso pensar nos sucessores ou contar com uma empresa especializada em encontrar a pessoa certa

A sucessão empresarial é um passo à frente para quem sai de um cargo, assim como para quem foi preparado para assumi-lo. A consultoria de hunting é uma prática que pode mudar o modo de sua empresa lidar com a sucessão empresarial. Para saber mais, continue a leitura!

Quais são as etapas de uma sucessão empresarial?

O crescimento profissional é uma motivação para se criar sucessores, isso porque não ter uma equipe preparada para fazer o que um líder fazia pode atrasar os planos de quem precisa ser substituído. Uma maneira de acelerar esse processo é na busca por uma pessoa fora do quadro de colaboradores, porém, isso tem que ser muito bem planejado, pois deve-se evitar novas demandas, como o treinamento.

Resumidamente, é necessário levantar as metas e competências relacionadas ao cargo que será herdado. Assim, antes de qualquer coisa, o sucessor precisa tê-las já desenvolvidas, por meio de treinamentos e de um plano de desenvolvimento. Todo profissional que pensa no crescimento tem uma visão de onde gostaria de estar em alguns anos. É importante que isso esteja bem claro para a empresa, para que ambos reconheçam os desafios que estão dispostos a assumir.

Qual seria o momento certo para uma sucessão empresarial?

A sucessão empresarial é assunto tratado periodicamente em empresas bem estruturadas, algumas fazem reuniões uma vez por ano, outras semestralmente. O objetivo é desenhar um plano de desenvolvimento para que os profissionais cumpram todas as etapas e estejam prontos para, no momento certo, assumirem o desafio almejado.

Tudo isso vai depender de cada empresa, além do cargo, do ciclo e do mandato que o líder ocupa. A mudança na carreira, mesmo quando muito planejada, pode acontecer em uma hora inesperada. Nesse quesito, é possível até mesmo adiantar uma promoção quando se tem o sucessor preparado para assumir seu novo cargo.

Quais são os desafios do processo de sucessão?

Existem muitos desafios no processo de desenvolvimento de um sucessor para as vagas de liderança ou outra cadeira importante dentro de uma empresa. As expectativas do colaborador e da empresa, por exemplo, devem estar alinhadas. 

Em outras palavras, o ritmo de ambos precisa ser o mesmo, pois perspectivas diferentes causam frustração para as partes envolvidas. Quando esse engajamento não acontece por parte da organização, o profissional tende a continuar seus planos e buscar oportunidades em outra empresa.

Outro desafio é lidar com a mudança repentina, algo comum no meio empresarial. Como vimos, mesmo quando há um planejamento adequado, eventualidades podem alterar a trajetória e a busca pelo sucessor passa a ser um revés. 

Pode acontecer de os gestores não enxergarem um possível ocupante para a cadeira em aberto na própria equipe, mesmo quando ela tem membros muito talentosos. Às vezes, também acontece de o perfil não se encaixar na vaga pelo fato de essas pessoas não terem sido preparadas para a eventual sucessão.

As empresas precisam conhecer quem são seus colaboradores e, para isso, a comunicação precisa ser clara e transparente. Ao alinhar as expectativas, ela reconhece que seus funcionários têm objetivos de carreira, identificando os potenciais sucessores para cargos estratégicos ou a necessidade de uma busca externa.

Quais cuidados a empresa deve ter para preparar a sucessão?

O potencial sucessor não precisa, e não deve, ser apenas uma única pessoa. Sempre que possível, é interessante ter um plano com mais colaboradores que possam ter as competências para a cadeira, caso o líder receba uma promoção ou assumiu um novo projeto, por exemplo. 

Quando o foco fica em apenas um possível substituto, isso engessa as possibilidades, deixando os gestores reféns de uma pessoa que pode deixar a empresa no meio do caminho. Para evitar que isso aconteça, a comunicação honesta e o alinhamento de expectativas são essenciais.

Essas são atitudes motivadoras que diminuem a probabilidade de perda desse profissional, já que você sabe exatamente as perspectivas dele. Assim, é possível trabalhar melhor o plano de desenvolvimento dessa pessoa, que consegue ter uma visão de futuro no atual emprego ao ver que as discussões nesse sentido são colocadas em prática.

Como a consultoria de hunting contribui com a sucessão empresarial?

O hunting é mais que uma simples busca por profissionais competentes para certa vaga. Sendo assim, diferentemente de outras estratégias de contratação, nas quais as pessoas enviam currículos para serem selecionadas, na consultoria de hunting os profissionais qualificados buscam dentro da própria organização ou em empresas do mesmo nicho o sucessor ideal.

No caso da Robert Half, os consultores estão o tempo todo em contato com os mais diversos profissionais do mercado. Desse modo, conhecemos não apenas sobre a carreira do profissional e suas conquistas, mas também as suas expectativas, ou seja, o que ele espera para o desenvolvimento da sua carreira.

Ao conhecer os dois lados, da empresa e dos candidatos, uma consultoria de hunting elabora um direcionamento para ter o colaborador adequado na hora de lidar com mudanças e transições que necessitam de perfis profissionais ainda não existentes em uma organização. 

A combinação entre essas perspectivas facilita o contato entre negócios que buscam o crescimento e pessoas que têm potencial para assumirem novos desafios. A partir desses conhecimentos, a consultoria de hunting pode acelerar o plano de sucessão, principalmente em casos nos quais a empresa não tem tempo para desenvolver alguém da própria equipe para assumir uma cadeira maior.

Quais os benefícios e resultados da consultoria de hunting?

Juntamente com as organizações, os consultores pensam na estratégia ideal, entendendo o perfil do profissional que pode ocupar a vaga e questionando a possibilidade de encontrar essa pessoa dentro da própria equipe. Ao fim, indicam-se candidatos a partir da concepção de qual seria o perfil ideal para acelerar o processo de sucessão.

A Robert Half consegue fazer esse processo com destreza por ter muita experiência com vários trabalhos nessa direção, em países e empresas que passaram por situações similares. Assim, encontramos a pessoa adequada, sem que a empresa precise gastar tempo na formação de um sucessor, caso ela não o tenha.

Não podemos negar que a possibilidade de contratar, por meio da consultoria de hunting, um profissional qualificado externo pode gerar resultado em um prazo mais curto do que quando a empresa decide preparar alguém interno. Além disso, não há garantias de que essa pessoa tenha adquirido todas as competências, além da sua permanência na empresa, diferentemente daquela indicada por quem está preparado para realizar tal ação. 

A Robert Half tem mais de 70 anos no mercado mundial, com acesso a um perfil amplo de profissionais em diferentes cargos. Quer saber mais como podemos ajudá-lo? Entre em contato conosco.

* Mario Custodio é diretor da área de Executive Search da Robert Half

Hide Breadcrumb
Off
Hide Title
Off

More From the Blog...