Geração Z: o que ela espera do mercado de trabalho e da carreira

Nos últimos anos, muito se falou sobre as gerações X e Y. Esta última, aliás, que até pouco tempo atrás começava a carreira, já chegou a cargos de liderança. Agora, a discussão é sobre a geração Z, que está entrando no mercado de trabalho e é a primeira geração verdadeiramente digital e global. Até 2020, os nascidos entre 1990 e 1999 representarão 20% da força de trabalho.

Mais da metade deles (52%) acha que será fácil trabalhar com a geração X, mas somente 27% acreditam que não terão problemas com os “baby boomers”. Quer saber o que eles esperam do mercado profissional e da carreira? Um estudo da Robert Half dá algumas pistas.

- 77% esperam trabalhar mais duro que as gerações anteriores

- 4 é o número médio de empresas que eles pretendem trabalhar ao longo da carreira

- 30% aceitariam uma redução de até 20% no salário para trabalhar em uma empresa com uma missão que eles realmente acreditam

- 50% gostariam de se aposentar antes dos 60 anos de idade - 56% acham que vão trabalhar até algo entre 61 e 70 anos de idade

- 74% preferem se comunicar pessoalmente, cara-a-cara, com os colegas - 38% valorizam a honestidade e a integridade em um gestor

- 22% valorizam no chefe a habilidade de ser um mentor

E mais. Cinco anos após a conclusão da faculdade...

- 20% gostariam de empreender

- 24% gostariam de estar avançando na hierarquia corporativa

- 32% gostariam de gerenciar pessoas

Em uma busca por emprego, estas são as sete prioridades da geração Z.

1.Oportunidades de crescimento

2.Salário generoso

3.Causar impacto positivo

4.Segurança no emprego

5.Benefícios de saúde

6.Horário flexível

7.Um gestor com quem aprender

Uma das grandes fraquezas da geração Z, segundo Paul McDonald, diretor executivo sênior da Robert Half, é a pouca habilidade com a escrita. Muitos deles cresceram em uma época de ascensão das mídias sociais. Abreviações, emoticons e falta de pontuação são uma grande vantagem nas redes sociais, mas podem trazer preocupações no ambiente corporativo.

Os empregadores terão a missão de ensinar a geração Z a adaptar seu estilo de comunicação aos seus interlocutores e ser capaz de reconhecer a necessidade de estilos formais de comunicação, seguindo determinados padrões.

Aqui, mais algumas “soft skills” que a geração Z não tem e precisam ser trabalhadas:

1.Auto avaliação rigorosa

2.Assumir responsabilidades pessoais

3.Manter a atitude positiva

4.Cuidar de si mesmo fora do trabalho para que venham saudáveis ao escritório

5.Auto apresentação: oportunidade, organização e produtividade, qualidade, acompanhamento e iniciativa

Faça o download do estudo completo aqui

Compartilhar essa página