Dizer não pode melhorar sua produtividade, aprenda a usar essa palavrinha mágica

Por Robert Half on 29 de abril de 2015

Há quem tenha dificuldade em falar não, mas olha, sem usar essa palavrinha mágica fica bem difícil manter a produtividade. As interrupções ao longo do dia podem ser muitas e depende de você controlar essas interferências para manter um bom ritmo de trabalho. Para começar, aprenda a dizer não para algumas distrações do “mundo moderno”. As redes sociais podem tomar um tempo incrível do seu dia, bem como os canais de notícia na internet.

O mesmo vale para a caixa de entrada do e-mail e o WhastApp. Parar o que você está fazendo cada vez que chega uma mensagem pode interromper uma linha de raciocínio que demora a ser retomada. Nesses casos a sugestão é reservar blocos de minutos ao longo do dia – 15 ou 20 minutos a cada três horas, por exemplo - para checar todo esse aparato: e-mail, WhatsApp, notícias, Facebook... Sem ser rude, dá para dizer não aos colegas e para o chefe também.

Quando alguém lhe pedir uma ajuda, mostre-se disponível, ainda que daqui a algumas horas ou dias. “Não posso lidar com isso agora. Você pode esperar até amanhã?” Se o chefe lhe passar mais uma tarefa e você já estiver sobrecarregado, que tal definir com ele as prioridades? Ao invés de simplesmente dizer “sim, claro, farei e lhe entregarei tudo pronto até o fim do dia” – e comprometer a sua qualidade de vida e a do trabalho também -, diga que você pode abraçar as novas tarefas, mas que não é viável terminar tudo dentro do prazo que ele sugeriu. Sente junto com o seu gestor e determine o que é prioritário. A partir daí monte um cronograma de ação.

Até convites para reuniões podem ser negados – desde que a sua presença não seja essencial, claro. Não há mal algum em explicar ao gestor – ou a quem está organizando o encontro – que você tem um projeto importante em andamento, o prazo está curto e é preciso concentrar os esforços nesse trabalho no momento. Se a sua participação não for crucial para o desenrolar da reunião, certamente você será liberado. No fim, também faz parte da etiqueta corporativa dizer o “não”. O pulo do gato é como fazê-lo. Nenhum profissional vai longe sendo intransigente. É preciso ter clareza para saber quando fazer concessões e quando negociar. Que tal praticar?

More From the Blog...