Devo fazer um currículo criativo?

Por Juliana Porto

Tem crescido o número de profissionais que optam por enviar os chamados currículos criativos - eles fogem do formato tradicional e utilizam gráficos, imagens e recursos como flash ou vídeo. Em um primeiro momento, pode parecer que a alternativa chama mais atenção de recrutadores, mas ela não se adequa a todos. E mesmo quem optar por reunir suas informações profissionais de maneira não tradicional deve ficar atento em como fazê-lo.

Em primeiro lugar, defina se a vaga ou a companhia que você mira condiz com este tipo de currículo. Empresas ou postos mais tradicionais devem ficar de fora. Em geral, estes CVs são destinados a posições mais criativas, como áreas de design ou publicidade.

Um dos maiores riscos de usar um currículo criativo não é aborrecer um recrutador com recursos que não funcionam ou gráficos confusos. Especialmente em vagas online, muitas vezes a primeira triagem dos documentos é feita por um  software. Assim, é essencial usar palavras-chave relevantes em qualquer tipo de currículo. Caso opte pelo alternativo, vale submeter também um currículo básico, especialmente quando se aplica online.

Não escolha usar um currículo criativo apenas porque ele é divertido. Você precisa ter uma boa razão para isso.  Além disso, não vale ser criativo e esquecer de informações básicas mandatórias em qualquer currículo:

  • Inclua seu nome completo e informações de contato
  • Destaque suas realizações profissionais chave
  • Inclua datas para que recrutadores tenham uma ideia da sua linha do tempo profissional

Independentemente do formato do currículo, recrutadores vão apreciar os documentos que vão direto ao ponto: a sua experiência profissional.  Ao enviá-lo, você deve ter em mente que o que mais importa é o conteúdo.

Criativo ou não, as informações apresentadas devem ser claras, concisas e em um formato de leitura fácil. A maioria dos recrutadores não gastam mais do que 60 segundos para analisar um currículo, então esteja certo que eles poderão ver o essencial neste tempo. 

* Juliana Porto é jornalista desde 2005 e começou sua carreira escrevendo justamente sobre... carreiras! De lá para cá, já cobriu finanças pessoais, consumo e tecnologia em redações no Rio e São Paulo, mas sempre acaba voltando ao tema com que começou sua vida profissional.

Compartilhar essa página