Currículos para trabalhar fora do Brasil

Por Gabrielle Moreira

Se seu plano de carreira inclui um cargo em alguma empresa no exterior, você traduz o seu currículo em português e envia para a empresa interessada, certo? Errado.

O preparo do currículo vai além da tradução. Na Europa e nos Estados Unidos, por exemplo, antes de listar as companhias pelas quais o candidato passou, é necessária a elaboração de uma carta de apresentação.

Essa carta é a primeira chance de impressionar o futuro empregador. Quatro parágrafos tendem a ser suficientes. Primeiro, se apresente e mencione a vaga de seu interesse. Depois disso, diga suas qualificações e fale rapidamente sobre as suas experiências profissionais, especialmente os trabalhos em que obteve destaque. O próximo passo é dizer como você pode ser útil para a companhia e os motivos que te levam a disputar essa vaga. Ao fim, agradeça ao recrutador, ou a pessoa responsável pelo processo e se coloque à disposição para uma conversa.

Passada essa etapa, aí vem o currículo. Ao detalhar sua experiência profissional, fale sobre os resultados conquistados nas atividades exercidas. Suas competências e aspectos relevantes do seu perfil também podem ser incluídos no documento, mas tome cuidado com o excesso de adjetivos.

Inclua seu histórico educacional, trabalhos voluntários e realizações acadêmicas que foram importantes para você. Empregadores estrangeiros também avaliam o perfil do candidato antes de entrar no mundo corporativo, em busca de traços da personalidade de cada pessoa. Não se esqueça de mencionar os idiomas que fala, nível de fluência, além dos cursos extracurriculares e de extensão que concluiu.

Não existe um padrão pré-definido na disposição de informações, embora seja importante que os acontecimentos estejam em ordem cronológica inversa (do mais recente para o mais antigo) em cada item do currículo. Isso ajuda o recrutador a acompanhar a sua evolução profissional.

Por último, por mais fluente que seja em qualquer idioma, cheque a ortografia antes de enviar o documento, a fim de evitar erros de digitação e gramática.

Gabrielle Moreira é jornalista e escreve sobre economia, finanças, carreiras e comportamento há mais de dez anos. Depois de uma temporada no Valor Econômico de São Paulo, mudou-se para o Rio de Janeiro e agora reporta diretamente de seu home office na cidade maravilhosa. 

Compartilhar essa página