Como incluir experiências curtas no currículo

Todo mundo tem uma explicação razoável para uma curta experiência profissional. Mas é fato que há muitas empresas que não se sentem confortáveis em empregar alguém que troca de emprego como troca de roupa. Você pode até não concordar com esse pensamento, mas é assim que o mercado funciona. E, no currículo, não há espaço para explicações.

O papel – ou o arquivo digital - vai mostrar simplesmente que você permaneceu três meses em um trabalho, seis em outro e um ano em um terceiro. A explicação você só conseguirá dar se tiver a sorte de ser chamado para uma entrevista. Mas, então, o que fazer? Há uma solução para o problema e é chamada de currículo funcional.

Nesse modelo, logo abaixo do resumo de quem você é, inclua uma seção chamada projetos ou realizações profissionais. Ali você pode inserir os principais trabalhos em que esteve envolvido ao longo de sua carreira e o que conquistou em cada uma dessas atividades. Aqui o foco são as conquistas e não as datas, por isso é o modelo adequado para quem teve diversos empregos curtos.

Depois dos projetos é possível incluir ainda suas habilidades e competências e só mais para o fim é que você deve listar os nomes dos empregadores, os cargos que ocupou e as datas. Agora, se você teve uma ou, talvez, duas experiências mais curtas em meio a outras mais duradouras, avalie se elas merecem ser apresentadas. Se a resposta for sim, mantenha o currículo cronológico tradicional e destaque os projetos e as suas conquistas nessas passagens mais rápidas. Assim você conseguirá demonstrar que sua permanência naquele emprego, ainda que curta, ofereceu algum aprendizado.

Compartilhar essa página