Modismo? Acredito que não

Por Fernando Mantovani on 22 de setembro de 2023
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Por Fernando Mantovani

Tudo começou com a great resignation, a “grande renúncia”, em português, termo surgido e disseminado durante o auge da pandemia de coronavírus. Em meio a perdas e incertezas daquele difícil período, aconteceram inúmeros pedidos de demissões em massa, especialmente entre os profissionais qualificados. Seja por excesso de pressão, falta de propósito, relações profissionais tóxicas, entre outros tipos de descontentamento, os trabalhadores talentosos desejavam seguir um caminho diferente e menos estressante.

O que parecia ser uma tendência associada à situação limite em que vivíamos, permaneceu em alta, gerando novas expressões similares até hoje. Quiet quitting, grumpy staying e lazy girl jobs são as mais famosas. Mas afinal, o que elas têm em comum? Todas nomeiam movimentos de trabalhadores qualificados que buscam, de alguma maneira, melhorar o equilíbrio entre as esferas profissional e pessoal, garantindo tempo e energia para cuidar de si mesmo, da casa, da família, entre outros.

Envie sua vaga

O que essas expressões significam

Quiet quitting pode ser traduzido como “demissão silenciosa” e refere-se a profissionais que defendem limites bem estabelecidos entre trabalho e vida pessoal, sem fazer nem mais nem menos do que o acordado no contrato. O lema é corresponder às obrigações e ponto final.

Já o grumpy staying significa algo como “ficando, mas de mau humor” e vem sendo utilizado para designar profissionais que, apesar da insatisfação com as suas funções, continuam em seus empregos. A ideia é suportar a situação incômoda até que uma oportunidade mais interessante apareça.

O lazy girl jobs, ou “empregos para moças preguiçosas” (na tradução literal), embute o conceito de postos de trabalho que paguem bem, ofereçam flexibilidade e não sobrecarreguem os trabalhadores. A proposta, aqui, é zelar pela saúde física e mental, evitando os incontáveis episódios de burnout que foram desencadeados no período pandêmico e depois dele.

Leia também: Etarismo enfraquece diversidade

É importante compreender que essas expressões são mais do que simples modismos. Enquanto uma moda vem e vai embora, os termos acima, mesmo que em outras roupagens, estão em cena há vários anos e batendo na mesma tecla: qualidade de vida, bem-estar e saúde.

Esses termos expressam uma tentativa de resolver a profunda sensação de cansaço e desgaste gerada por jornadas profissionais extenuantes, que se tornaram ainda mais críticas com a pandemia.

Os resultados da 23ª edição do Índice de Confiança Robert Half (ICRH) evidenciam essa questão. De acordo com o estudo, nos últimos seis meses, 52% dos executivos identificaram colaboradores da sua empresa aderindo ao quiet quitting e 57% acreditam que essa é uma tendência com duração de médio-longo prazo.

A motivação para os profissionais aderirem a esse movimento, conforme a pesquisa, seria: 1) a falta de reconhecimento/oportunidades de crescimento; 2) construir uma relação mais saudável com o trabalho e 3) insatisfação com o superior imediato. Essas respostas são um ótimo ponto de partida para os líderes refletirem e proporem mudanças sintonizadas com os anseios dos times.

Confira também: Etarismo. Você sabe o que é?

Ainda segundo o estudo, há várias iniciativas que poderiam minimizar os impactos do quiet quitting e de movimentos similares. Para 69% dos entrevistados, a principal delas é a comunicação clara e direta entre líderes e liderados. Entre 49% dos participantes da pesquisa, o ideal seria apostar na promoção de oportunidades de crescimento profissional. E na opinião de 48% dos trabalhadores ouvidos, seria fundamental estabelecer limites saudáveis de carga horária.

Líderes precisam de empatia e iniciativa

O desafio de liderar profissionais insatisfeitos não é nada fácil. No entanto, é muito comum que, em algum momento, liderados apresentem sinais de desânimo com o trabalho. Para tanto, é essencial ter em mente o que envolve o bom exercício da liderança diante de movimentos de insatisfação:

- iniciativa – saber agir com autonomia e responsabilidade, sem perder o timing, é uma das principais qualidades de um líder frente a qualquer tipo de obstáculo;

- empatia – escutar, dialogar e apoiar os funcionários em suas dificuldades ajuda a estreitar os relacionamentos e a criar boas soluções;

- criatividade – problemas diferentes e específicos como o quiet quitting exigem respostas igualmente diferentes e específicas, que fujam do senso comum;

Está a procura de uma oportunidade?

A Robert Half é referência em recrutamento especializado e pode ter a vaga perfeita para o seu perfil. Veja as nossas oportunidades disponíveis e envie seu CV!

- flexibilidade – em um mundo em constante transformação, ser flexível e adaptável é premissa básica para acompanhar os desafios trazidos pelos liderados.

No final das contas, é de interesse geral que o trabalho aconteça de modo saudável e positivo, pois funcionários doentes e exaustos faltam, erram e mudam mais de emprego. O esforço para ouvir e atender as demandas dos liderados sempre traz vantagens para todos.

*Fernando Mantovani é diretor-geral da Robert Half para a América do Sul

Saiba como os recrutadores da Robert Half podem ajudar você a construir uma equipe talentosa de colaboradores ou avançar na sua carreira. Operando em mais de 300 locais no mundo inteiro incluindo nossas agências de empregos de São Paulo. A Robert Half pode te fornecer assistência onde e quando você precisar.

Mais em nosso Blog