ESG é oportunidade para profissionais

Por Fernando Mantovani on 2 de junho de 2023
Tempo estimado de leitura: 2minutos

Por Fernando Mantovani

Por acompanhar de perto e em profundidade as tendências do mercado de trabalho, tenho mais facilidade para antecipar a direção dos resultados das inúmeras pesquisas que realizamos ao longo do ano. Uma enquete feita recentemente pela Robert Half, entretanto, me surpreendeu. E acabou inspirando o desenvolvimento deste artigo.

Envie sua vaga

Por meio de uma sondagem no LinkedIn, buscamos mapear quais habilidades são consideradas essenciais para uma boa liderança no cenário atual. Entre os 726 profissionais que responderam à pesquisa, 49% apontaram a inteligência emocional; 27% a comunicação eficaz; 22% a capacidade de inspirar e 2% mencionaram as competências tecnológicas.

A porcentagem insignificante relativa à tecnologia chamou minha atenção. Afinal, em plena era da indústria 4.0, marcada pela aplicação de Internet das Coisas, Inteligência Artificial e computação em nuvem, como entender essa percepção dos respondentes?

Leia tambémOs desafios da liderança

A importância da empatia para a tomada de decisões

Uma hipótese é que o debate mundial sobre o risco de substituição do homem pela máquina tenha pesado bastante em favor das soft skills. As habilidades socioemocionais são consideradas um trunfo dos trabalhadores e estão na mira de todos que desejam se destacar e ascender na carreira.

Sem dúvida, ter empatia, saber ouvir e dar bons exemplos são atributos indispensáveis para o exercício de uma gestão eficiente. O chavão de que os profissionais são contratados pelos atributos técnicos e dispensados por motivos comportamentais segue verdadeiro, ainda mais para os líderes. No entanto, ser uma liderança completa, na atualidade, envolve também estar sintonizado à transformação digital.

Índice de Confiança Robert Half

O ICRH monitora o sentimento de recrutadores, profissionais empregados e desempregados com relação ao mercado de trabalho e economia atualmente e para os próximos seis meses.

Não se trata de alcançar especialização em programação ou desenvolvimento (o que é excelente, mas não obrigatório), mas de dominar o básico como Excel, ERP, CRM, entre outras ferramentas do dia a dia. Uma organização defasada tecnologicamente corre o risco de sumir do mapa, e o mesmo raciocínio vale para os gestores. Uma liderança desatualizada torna-se suscetível a perder oportunidades e até mesmo o cargo.

Ou seja, a aceleração do uso de recursos digitais será cada vez mais intensa e disruptiva, e quem não se adaptar a essa novidade, estará em desvantagem.

Tech skills aprimoram liderança

Absorver novas tecnologias nem sempre é fácil. A implantação de sistemas de TI, por exemplo, costuma sofrer grande resistência dos usuários. Além do desafio técnico de assimilar algo novo, há o temor do desconhecido. Alguns receiam perder o emprego, outros sentem vergonha da dificuldade de aprender e por aí vai.

Sentir medo é humano, mas esse sentimento não deve impedir a evolução dos funcionários e da empresa, pois as consequências de parar no tempo são drásticas para ambos. A história tem vários exemplos de indústrias inteiras que encolheram ou desapareceram por entrar em descompasso com a inovação digital.

Dito isso, quero frisar que as habilidades tecnológicas melhoram o desempenho e a carreira das lideranças de várias maneiras:

- tomada de decisão mais assertiva – decidir com o apoio de dados e tendências contribui para se obter uma visão mais estratégica do presente e do futuro, inclusive para a incorporação de avanços tecnológicos;

- boa gestão de equipes altamente especializadas – a bagagem tecnológica facilita a condução de times com uma expertise mais técnica, como os de desenvolvimento de software e de engenharia;

- conquista de um currículo diferenciado - conhecimentos básicos de TI, análise de dados, cibersegurança e comunicação digital são algumas das competências mais valorizadas pelo mercado;

- perspectiva de ser um “pacote completo” – o domínio de tech skills combinado à inteligência emocional é um perfil procurado pelas organizações, pois aumenta bastante as chances de uma liderança ser bem-sucedida.

Confira também: Fortalecer liderança

Para as organizações, ter lideranças 4.0 significa melhorar a produtividade, o relacionamento com clientes, a gestão de pessoas, as ações de marketing, entre outros aspectos. A tecnologia impacta positivamente todos os processos e resultados de uma companhia, fortalecendo sua sustentabilidade no longo prazo.

Além disso, gestores com bom domínio tecnológico estimulam seus times a buscar o mesmo conhecimento e experiência. Esse é o tipo de contágio bem-vindo, pois cria uma cultura permeável à transformação digital e à superação dos desafios que ela envolve.

Fernando Mantovani é diretor-geral da Robert Half para a América do Sul e autor do livro Para quem está na chuva… e não quer se molhar

Saiba como os recrutadores da Robert Half podem ajudar você a construir uma equipe talentosa de colaboradores ou avançar na sua carreira. Operando em mais de 300 locais no mundo inteiro incluindo nossas agências de empregos de São Paulo. A Robert Half pode te fornecer assistência onde e quando você precisar.

Mais em nosso Blog