Como realizar o sonho de trabalhar fora do país

Por Robert Half 15 de junho 2018

Por Adriana Fonseca

Quase um terço dos profissionais empregados têm buscado oportunidades de trabalho fora do país. A constatação é da 3ª edição do Índice de Confiança Robert Half (ICRH), divulgado em março. Para o coach e instrutor de mindfulness Fernando Ferrari, essa busca pode ser consequência do atual momento político e econômico do país. “Não somente o jovem  recém-formado, mas também altos executivos veem como saída a mudança para o exterior.”

Trabalhar em outro país pode parecer tentador para muita gente, mas há que se pesar os contras dessa decisão, pois, assim como qualquer coisa na vida, há sempre prós e contras. “A distância da família, a saudade do clima, da culinária, a falta de alinhamento entre expectativa e realidade, entre outras coisas, surgem como principais frustações e motivos de retorno ao seu país de origem”, alerta Fernando.

De qualquer forma, para quem deseja realizar o sonho de trabalhar fora do Brasil, Isis Borge, gerente de recrutamento da Robert Half, dá algumas dicas:

  • Esteja aberto a ouvir o que o mercado tem a oferecer, seja com relação ao modelo de trabalho – permanente ou temporário -, com a cidade ou país de atuação ou quanto ao pacote de benefícios

  • Para quem já atua em uma multinacional, a orientação é aprender o idioma do país sede da companhia e verificar com a área de recursos humanos a existência de planos de intercâmbio e quais os critérios para participação

Fernando ressalta que ao iniciar um novo projeto, é bastante comum que dúvidas e questionamentos apareçam. “Diversos pensamentos e crenças costumam definir o que faremos e principalmente o que não faremos para conquistar nossos objetivos. É essencial responder algumas questões e enfrentar algumas crenças que limitam o ritmo do seu objetivo”, diz.

Por isso, ele levanta alguns questionamentos importantes para se fazer antes de embarcar no projeto de trabalhar fora do país.

  • Procure entender se a vontade de trabalhar fora não se trata somente de uma fase turbulenta na carreira, decorrente da fase do país, e que, talvez, um período de férias ou um sabático possam ajudar

  • Que experiência você quer? O que você quer maximizar? Avalie se é somente o fator financeiro ou se envolve também o crescimento cultural, pessoal e profissional. Qual desses aspectos é mais importante neste momento? Talvez a resposta dessa pergunta ajude a tomar uma decisão mais realista

“Se você quer construir sua carreira no exterior, pesquise, pesquise muito. Será arriscado ir apenas por ‘querer trabalhar fora’, sem um planejamento prévio”, diz Fernando. “Para evitar frustrações, é fundamental ter objetivos bem definidos.”

Por isso, sugere o coach, procure avaliar o trabalho que irá desempenhar, quais as suas possíveis funções nessa nova área, as atividades pelas quais vai ser responsável.

Outra dica de Fernando é, durante o processo de investigação, identificar pessoas que em situação semelhante conseguiram fazer essa mudança e estão colhendo bons frutos. “Essas pessoas não são mais sortudas, elas fizeram algo que talvez você não tenha pensado ou não esteja com disposição para fazer”, afirma. “Olhar em volta e perceber que outras pessoas conseguiram nos ajuda não só a enxergar que é possível, como também a identificar o que os outros fizeram para conseguir alcançar aquilo que também almejamos e não achamos que é possível devido a alguma crença limitante.”

* Adriana Fonseca é jornalista, tem 15 anos de experiência na cobertura de carreiras, empreendedorismo e startups. Já publicou nos jornais Valor Econômico e Folha de S.Paulo e na revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

 

More From the Blog...