Atenção nas indicações

Por Gabrielle Moreira

Faz parte da dinâmica corporativa indicar ou pedir indicações de candidatos. As indicações ajudam na fase inicial de recrutamento, mas vale lembrar que cada empresa tem um critério no processo seletivo e conhecer alguém de dentro da empresa não significa necessariamente uma contratação.

É verdade que, em boa parte dos casos, o candidato pode ser visto com bons olhos só por ter sido indicado. Mas, é preciso ter cautela nesse processo. É importante saber o histórico da pessoa que te apresentará à companhia, para não correr o risco de alguém mal quisto na empresa ser a ponte para o novo emprego.

Supondo que o contato seja uma boa conexão, o segundo passo é ser comedido no pedido de ajuda. Não extrapolar, insistir em atualizações ou cobrar a fonte é de bom tom. Demonstrar interesse pela vaga é extremamente importante pois, se a pessoa estiver disposta a ajudá-lo, provavelmente se informará sobre o processo seletivo e atualizará sobre as novidades.

Quando o contato não inspirar confiança, uma alternativa é pedir que essa pessoa indique o responsável pelo processo seletivo, para que o próprio candidato se apresente. Dessa forma, o currículo não se perde ao longo do processo e o nome do candidato não fica atrelado ao do conhecido.

Mesmo empregado, tente manter uma boa rede de contatos. Nunca se sabe quando precisaremos acionar essas conexões. Além da possibilidade de nos ajudar quando buscamos novas oportunidades, colegas de profissão podem ser ótimas fontes para consulta e até mesmo troca de ideias sobre procedimentos corporativos. Por isso, lembre-se se cultivar relacionamentos saudáveis no ambiente corporativo.

Gabrielle Moreira é jornalista e escreve sobre economia, finanças, carreiras e comportamento há mais de dez anos. Depois de uma temporada no Valor Econômico de São Paulo, mudou-se para o Rio de Janeiro e agora reporta diretamente de seu home office na cidade maravilhosa. 

Tags: Carreira, Emprego

Compartilhar essa página