6 regras não escritas do ambiente de trabalho – e como entendê-las

Por Adriana Fonseca

Quando se começa a trabalhar em uma nova empresa, aprendemos algumas coisas básicas rapidamente: como preencher os relatórios no formato certo, quais os procedimentos para agendar uma viagem, etc. São processos oficiais a serem seguidos. Da mesma forma, após um treinamento inicial, onde se passa a conhecer os valores, a missão e os benefícios da companhia, você já saberá, por exemplo, se é permitido levar o cachorro ao trabalho. Mas há uma categoria de regras que não está tão clara – até porque não estão escritas em lugar algum.

Apesar de não estarem escritas, são regras que determinam como as coisas são feitas naquele ambiente. Então, o segredo para saber como agir em uma nova empresa é observar.

A coach americana Lea McLeod escreveu um artigo recentemente mostrando seis coisas que todo profissional deveria observar quando começa em um novo emprego. Confira:

1. O que flexibilidade realmente significa

Você aceitou o novo trabalho, em parte, porque ele oferece jornada flexível. Ok. Mas será que o ambiente de trabalho realmente abraça esse tipo de benefício? Ou, na prática, as pessoas sempre chegam antes das oito da manhã e ficam no escritório até as sete da noite? Alguém sai no meio do dia para cortar o cabelo ou buscar algo na farmácia? Entender a dinâmica do escritório e o que é esperado de você pode evitar problemas nos primeiros dias.

2. Quando o dia de trabalho realmente termina

Imagine que ninguém sai do escritório antes das oito da noite. Só que você tem o hábito de chegar muito cedo – e por isso, claro, tem o direito de ir embora cedo, mas ninguém vê a hora que você começa a trabalhar. Uma saia justa nos primeiros dias no escritório, não? Independentemente de quão produtivo seja o seu dia, se você sair antes que todos regularmente pode passar a ser rotulado de forma incorreta como preguiçoso ou ausente. A coisa mais importante, claro, é entregar seu trabalho como é esperado – ou até superando expectativas. E se você continuar sentindo pressão para ficar até tarde talvez a cultura daquela empresa não seja a melhor para você.

3. Política de portas abertas

No discurso, muitas empresas dizem que a porta do CEO está sempre aberta e que é possível entrar a qualquer hora e compartilhar novas ideias. Mas a realidade pode ser diferente, até porque CEOs nem sempre têm minutos sobrando em suas apertadas agendas. Então, se a sua empresa diz que tem política de portas abertas, observe se alguém realmente faz uso dela antes de bater na porta do presidente.

4. Quando se espera que e-mails sejam respondidos

Seu chefe costuma mandar e-mails com detalhes sobre os projetos tarde da noite, e diz que você não precisa ter pressa para responder. Só que logo você percebe que no dia seguinte todos já estão conversando sobre o e-mail da noite anterior. Saber quando e como participar é importante. Aproveite os colegas e capte dicas.

5. Como se vestir

Ao andar pelo escritório, observe como seus colegas se vestem. Jeans e camiseta são usados? De qualquer forma, é importante que o seu jeito de se vestir transmita a sua confiança, criatividade e competência. Isso certamente vai ajudar na maneira como você é percebido pelo grupo.

6. Quando tirar férias

Cada empresa define o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal de uma forma diferente. Pela lei, claro, todo funcionário tem direito a 30 dias de férias após um ano da companhia, mas é a cultura organizacional que vai dizer se as regras são tão claras assim na prática. As pessoas tiram os 30 dias de uma só vez? Isso é bem visto? Tudo bem pedir as férias logo que completar um ano de casa? Observe!

* Adriana Fonseca é jornalista, tem 15 anos de experiência na cobertura de carreiras, empreendedorismo e startups e já publicou no jornal Valor Econômico, na Folha de S.Paulo e na revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

 

Compartilhar essa página