5 atitudes nas redes sociais que matam a sua credibilidade

Gafe é pouco para o que fez a atriz holandesa Nicolette Van Dam. Embaixadora do Unicef, ela se viu obrigada a renunciar ao cargo após compartilhar uma fotomontagem no Twitter. A imagem trazia dois jogadores da seleção colombiana ajoelhados no campo de futebol, como se estivessem cheirando cocaína.

Difícil entender o que faz uma pessoa compartilhar esse tipo de conteúdo em uma rede social. Afinal, o mundo inteiro vai ver e uma mancada como essa pode, sim, prejudicar a carreira. Nicolette, no entanto, não foi a primeira – e certamente não será a última a errar a mão no ambiente digital.

No fim do ano passado, a executiva de relações públicas Justine Sacco foi demitida logo após publicar em seu Twitter a seguinte frase: “Going to Africa. Hope I don't get AIDS. Just Kidding. I'm White!” – algo como “Indo para a África. Espero não pegar Aids. Só brincando. Sou branca!”. O comentário lhe custou o cargo de diretora de comunicações na empresa americana de mídia IAC, dona de sites como Match.com e Vimeo.

Ainda mais recente é o caso do copiloto da Avianca Eduardo Pfiffer. Ele fez comentários preconceituosos sobre nordestinos em seu Facebook. Ao reclamar do atendimento em um restaurante em João Pessoa, na Paraíba, ele escreveu ofensas impublicáveis – e acabou demitido do cargo. Para não correr o risco de virar um exemplo como os citados neste post, confira cinco atitudes nas redes sociais que matam a credibilidade de qualquer um.

1. Esquecer o alcance da internet
Uma mesma rede social pode reunir amigos, familiares e colegas de trabalho. Difícil encontrar alguém que mantenha o pessoal do escritório fora da lista dos “amigos virtuais”. Justamente por isso, antes de dar o “enter”, pense: tudo bem se meu chefe vir isso?

2. Bancar o politizado
Talvez nunca se tenha visto tanta discussão política nas redes sociais como agora. Primeiro foram os protestos que se espalharam pelo país e, depois, a Copa do Mundo. Os dois eventos fortaleceram as convicções partidárias de muitos internautas e, frequentemente, vemos colocações bem claras no Twitter e no Facebook sobre este ou aquele político. Mas será que isso pode prejudicar a carreira? Pode. No calor das discussões online, nem sempre nos expressamos da forma como deveríamos. Consequência? Pessoas podem se ofender e relações de trabalho podem ficar estremecidas.

3. Ser o “reclamão”
Você não fica andando no escritório, com um megafone na mão, reclamando de tudo o dia todo, certo? Então não faça isso nas redes sociais, porque o RH, os chefes e até os seus colegas podem entender que essa é a principal característica do seu comportamento. E quem gosta de trabalhar com o “reclamão”? Isso vale para comentários sobre a empresa para a qual você trabalha, os chefes, os colegas e os clientes.

4. Compartilhar demais
Twittar sobre uma oferta de emprego pode não pegar muito bem. Lembre-se de que o alcance das redes sociais é imenso e essa informação pode chegar ao seu chefe – mesmo que ele não esteja na sua rede de contatos. Na outra ponta, quem ofereceu o emprego também pode ler seu comentário. Então, cuidado redobrado, como bem ilustra o caso de uma ex-futura estagiária da Cisco nos EUA. Ela escreveu no microblog: “A Cisco acaba de me oferecer um trabalho. Agora eu tenho que pesar a utilidade de um salário gordo contra o deslocamento diário para San Jose e odiar o trabalho.” Um funcionário da empresa respondeu: “Quem é o gerente de recrutamento? Tenho certeza que ele gostaria de saber que você vai odiar o trabalho. Aqui na Cisco nós verificamos a internet”.

5. Não ler o manual de conduta online
A empresa onde você trabalha tem uma política sobre o uso das redes sociais? Então, leia o documento. Ficar por dentro do que é permitido ajudará a evitar arranhões na sua credibilidade profissional.

Tags: Carreira

Compartilhar essa página