Imprimir esta página Enviar para um amigo Página anterior

Velocidade nas contratações

Ref. NE-02511

Fernando Mantovani é diretor da Robert Half, líder mundial em recrutamento especializado
O Brasil vive um momento peculiar com relação às contratações e, neste processo, o tempo para a tomada de decisão sobre quem contratar é fator crucial. O aquecimento generalizado do mercado tem gerado um fluxo grande na busca por profissionais e, como conseqüência imediata, os candidatos têm participado, em média, de três seleções simultâneas. Muitas empresas têm perdido candidatos no meio do caminho e deixado escapar boas oportunidades por conta da lentidão na contratação.

É uma falsa impressão aquela de que contratar com agilidade, especialmente em um período em que o mercado está aquecido e se convive com a escassez de mão de obra especializada, signifique optar por candidatos de baixa qualidade. A realidade do mercado de trabalho prova o contrário e a morosidade no processo, esta sim, acaba acarretando em maior dificuldade em se encontrar o perfil desejado.

Para empresas com processo de contratação longo, é preciso compreender outra característica marcante em momentos de alta nas contratações. Com o mercado aquecido, a contraproposta como alternativa para retenção de talentos entra em cena e se torna uma das principais ferramentas por parte das empresas que observam os seus bons profissionais participando de processos seletivos. É muito mais custoso ter de procurar um novo talento do que oferecer uma melhor condição, oportunidades e promoção para manter o profissional na própria empresa. Neste momento o tempo de processo longo favorece o atual empregador que pode ter tempo para movimentar-se e tentar reter.

Neste contexto, há ainda que se considerar que o fato de o candidato concorrer simultaneamente a diversas vagas, garante a contratação às empresas que demonstrarem maior agilidade no processo de seleção. É preciso levar em consideração também a leitura que o candidato pode fazer quando observa certa lentidão na tomada de decisão da companhia. Para muitos deles, a percepção é de que não há urgência na contratação e de que eles, candidatos, não são tão necessários assim. O resultado é a desmotivação.

Para as empresas garantirem o sucesso na contratação de bons profissionais, neste momento da economia brasileira, é preciso velocidade nas contratações. O ideal é que todo o processo dure três semanas, diferente dos 45 dias que as companhias têm levado para bater o martelo. Cada vez mais será importante tomar a decisão com poucos candidatos e menos informações como fazem os líderes nas grandes corporações. Comparar profissionais é importante mas, algumas vezes, quando temos uma ou duas boas opções, esperar pelo próximo candidato para comparação pode ser “um tiro no próprio pé”.

Em muitos casos, certamente será mais seguro a flexibilização em relação ao perfil desejado e garantir a contratação de um bom profissional do que esperar pelo profissional considerado ideal – e que nem sempre existe ou aceita a condição proposta pela empresa - e ficar sem nenhuma opção.